Presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL)
Presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL)Foto: Mauro Pimentel / AFP

O presidente Jair Bolsonaro deve indicar um militar para presidir a Apex (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos).

O comando da agência, vinculada ao Ministério das Relações Exteriores, está vago há duas semanas, desde a demissão do embaixador Mario Vilalva.

O antigo presidente teve seus poderes esvaziados pelo ministro Ernesto Araújo e criticou o chanceler, a quem acusou de deslealdade.

Leia também:
Governo Bolsonaro confirma demissão do presidente da Apex
Presidente da Apex é demitido, e governo Bolsonaro tem primeira queda


Segundo pessoas que acompanham a crise na Apex, Bolsonaro deve nomear o contra-almirante Sergio Ricardo Segovia Barbosa para a presidência da agência, que atua na promoção de produtos brasileiros no exterior. O militar hoje chefia a área de Tecnologia da Informação do ministério da Defesa.

A expectativa é que o anúncio ocorra até esta sexta-feira (26).

Ao indicar Segovia Barbosa para o posto, Bolsonaro tenta estancar a crise de gestão na Apex que se arrasta desde o início do governo.

A crise já levou à demissão de dois presidentes da agência. Antes de Vilalva, Alecxandro Carreiro ocupou o cargo por menos de dez dias, mas foi demitido depois de se desentender com a diretora de Negócios, Letícia Catelani.

Catelani e o diretor de Gestão Corporativa da Apex, Márcio Coimbra, ambos indicados por Araújo, também foram os pivôs da demissão de Vilalva.

Eles entraram em conflito com o embaixador e foram apoiados pelo chanceler.

Conforme revelado pela Folha de S.Paulo, Araújo promoveu uma mudança no estatuto da Apex e transferiu poderes que eram da presidência para os dois diretores.

Em resposta, Vilalva disse que a mudança estatutária ocorreu "na calada da noite" e afirmou que Catelani e Coimbra são pessoas "despreparadas" e "irresponsáveis".

"O mais grave foi o fato de que as mudanças [no estatuto da agência] foram feitas sem o presidente da Apex saber e que elas foram escondidas em documento guardado em cartório, o que demonstra jogada ardilosa e de má-fé", disse Vilalva, em entrevista à Folha de S.Paulo.

Os problemas na Apex inclusive reacenderam uma disputa entre o ministério da Economia e o Itamaraty. O ministro Paulo Guedes chegou a defender a extinção da Apex caso ela fosse transferida para a sua pasta.

Nesta segunda-feira (22), o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, disse que a agência permanecerá vinculada ao Ministério de Relações Exteriores.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: