Hackers
HackersFoto: Marcello Casal jr/Agência Brasil

Em depoimento à Polícia Federal, um dos presos na terça (23) sob suspeita de ter hackeado celulares de autoridades, Walter Delgatti Filho, 30, afirmou que obteve o contato do jornalista Glenn Greenwald, do site The Intercept Brasil, por meio da ex-deputada Manuela d'Ávila (PC do B), e que não editou as mensagens de membros da Lava Jato antes de repassá-las.

O teor do depoimento dele foi revelado nesta sexta (26) pela GloboNews. Segundo o depoimento, Delgatti procurou Grennwald por conhecer sua atuação no vazamento de documentos secretos dos EUA, no caso de Edward Snowden. O compartilhamento com o Intercept, segundo o preso, foi voluntário e não envolveu pagamento.

Delgatti relatou que o primeiro hackeamento que fez foi do promotor Marcel Zanin Bombardi, de Araraquara (SP), que o havia denunciado por tráfico de medicamentos de uso controlado.

Leia também:
Hackers eram parceiros antigos de crime e queriam comprar armas, diz PF
Presidentes da Câmara e do Senado também foram alvos de hackers
Moro avisa autoridades que mensagens apreendidas com hacker serão destruídas 

No celular do promotor, Delgatti encontrou um grupo no aplicativo Telegram formado por procuradores da República, chamado "valoriza MPF [Ministério Público Federal]". Pela agenda de um dos procuradores desse grupo, o suspeito disse que conseguiu acesso ao celular do deputado Kim Kataguiri (DEM-SP).

Pela agenda de Kataguiri, ainda segundo o suspeito, ele obteve o número do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal. Entre os contatos de Moraes, Delgatti obteve o do ex-procurador-geral Rodrigo Janot e, pela agenda dele, chegou aos números dos procuradores da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, entre eles Deltan Dallagnol, Orlando Martello Júnior e Januário Paludo.

De acordo com o suspeito, as invasões aos aparelhos foram realizadas de março a maio deste ano, e o material foi enviado ao Intercept no Dia das Mães (12 de maio).

Contato com a fonte 
O jornalista Glenn Greenwald, do The Intercept Brasil, disse que a fonte que repassou conversas de autoridades da Lava Jato ao site afirmou que não pagou pelos dados nem pediu dinheiro a ele em troca do material.

Nesta sexta-feira (26), o jornalista, um dos fundadores do site, revelou à revista Veja trechos de diálogo que manteve com a pessoa que repassou as mensagens vazadas a ele.

​Greenwald afirmou que um dos primeiros contatos com a fonte aconteceu no início de maio deste ano e que foi apresentado a ela por um intermediário. Todos os contatos, afirmou, foram virtuais.

O diálogo publicado por Veja ocorreu dias antes da primeira reportagem do Intercept com os vazamentos, em 9 de junho.

Na conversa divulgada, Greenwald pergunta à fonte se ela leu reportagem da Folha de S.Paulo a respeito da invasão por um hacker do celular do ministro da Justiça, Sergio Moro, ex-juiz da Lava Jato.

A fonte responde que soube da notícia e negou que fosse o responsável pelo ataque ao aparelho do ex-magistrado. "Vi agora. Com isso a massa vai ficar quente, é bom ter cautela."

A fonte não revelada diz a seguir que seu modo de agir era diferente do citado naquele caso, já que, naquele ataque, foi divulgado que o hacker trocou mensagens fazendo se passar pelo ministro.

"Nunca trocamos mensagens, só puxamos [o conteúdo]. Se fizéssemos isso ia ficar muita na cara", escreveu a fonte.

E continuou: "Nós não somos 'hackers newbies' [amadores], a notícia não condiz com nosso modo de operar, nós acessamos telegrama com a finalidade de extrair conversas e fazer justiça, trazendo a verdade para o povo."

As afirmações foram mantidas com a grafia original divulgada pelo jornalista. Na última terça-feira (23), quatro pessoas foram presas em operação da Polícia Federal deflagrada contra hackers suspeitos de invadir celulares de autoridades.

Um dos detidos, Walter Delgatti Neto, afirmou em depoimento que repassou mensagens que obteve a Greenwald, de maneira anônima, voluntária e sem cobrança financeira.

As prisões são temporárias, por cinco dias, renováveis por mais cinco dias.
O jornalista e o Intercept têm dito que não vão se manifestar confirmando se foi Delgatti quem repassou os dados porque não fazem comentários sobre suas fontes.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: