Otávio Rêgo Barros, Porta-voz da Presidência
Otávio Rêgo Barros, Porta-voz da PresidênciaFoto: José Dias/PR

O porta-voz da Presidência da República, general Otávio Rêgo Barros, disse nesta segunda-feira (29) que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) se baseou em uma percepção pessoal ao insinuar que o jornalista Glenn Greenwald cometeu um crime ao divulgar conversas vazadas do ministro da Justiça, Sergio Moro.

Segundo o porta-voz, não há dúvida de que houve crime com a intenção de atingir a Operação Lava Jato e tentar desqualificar o governo federal. "Alguma dúvida que houve o cometimento de um crime?", questionou. "O presidente não colocou em xeque em momento nenhum a necessidade de liberdade de imprensa com a qual ele se associa in totum", acrescentou.

Greenwald é fundador do site The Intercept Brasil, que vem publicando, desde 9 de junho, reportagens baseadas em um pacote de mensagens trocadas no aplicativo Telegram entre a força-tarefa da Lava Jato e Moro, ex-juiz federal.

Leia também:
Família de Fernando Santa Cruz vai à PGR cobrar explicações de Bolsonaro
'Não tinha ninguém pra dar um tiro nele?', questiona Bolsonaro sobre morador de rua
Sob pressão, operadoras bloqueiam ligações para tentar barrar hackers

O jornalista não é investigado pela Polícia Federal nem há indícios de que ele tenha cometido atos ilícitos. A publicação das mensagens pelo Intercept e por outros veículos, como a Folha, não representa infração à lei. Rêgo Barros foi perguntado mais de uma vez que crime teria sido cometido pelo jornalista e se o presidente teria alguma informação adicional de que ele estaria envolvido nos ataques ao celulares de autoridades.

Em depoimento à Polícia Federal, Walter Delgatti Neto, um dos presos da operação Spoofing, afirmou ter enviado ao Intercept de forma anônima, voluntária e sem custos o pacote de mensagens obtidas por ele por meio de invasão ao Telegram de procuradores.

"No todo, vocês têm que entender o contexto no todo", afirmou o porta-voz. "A percepção pessoal do presidente é essa que eu acabei de anunciar. Como eu disse, é a percepção pessoal do senhor presidente", acrescentou. Segundo ele, Bolsonaro "expressa as suas opiniões a partir do conhecimento que recebe".

"Ele não me adiantou, no caso específico, qualquer informação sobre possuir ou não possuir a informação sobre isso [envolvimento do jornalista nos ataques]", ressaltou. Nesta segunda-feira (29), o presidente insinuou, sem apresentar provas, que a publicação de reportagens com base nos diálogos envolveu pagamento. No sábado (27), ele afirmou que o jornalista "poderia pegar uma cana".

veja também

comentários

comece o dia bem informado: