Michel Temer chega sob escolta policial na sede da Polícia Federal no Rio de Janeiro
Michel Temer chega sob escolta policial na sede da Polícia Federal no Rio de JaneiroFoto: Mauro Pimentel/AFP

Desde a noite desta quinta-feira (21), o ex-presidente Michel Temer está acomodado em uma sala escura na Superintendência da PF no Rio, onde cumpre prisão preventiva (sem julgamento e por prazo indeterminado). Apesar de amplo — com três ambientes, incluindo banheiro privativo — o aposento foi totalmente lacrado para receber o prisioneiro.

Antigo escritório do corregedor da PF, a sala teve as janelas vedadas com chumbo derretido. Além de "chumbadas", as janelas foram cobertas de película negra, impedindo a vista ao pátio interno do prédio. O chumbo é para impedir fuga. Já o revestimento preto impede que seja visto e tenha acesso ao pátio do prédio.

Sem iluminação natural, a sala mantém luminárias permanentemente acesas. Localizada no terceiro andar da superintendência da PF, o aposento tem uma sala maior — dividida por uma grande mesa de reunião — e uma antessala, onde fica um sofá e cadeiras.

Leia também:
Temer recusa jantar, tem 1º noite preso e agora tenta evitar depoimento à PF
Associação dos Delegados da PF defende ação na prisão de Temer
Temer, Moreira Franco e coronel Lima prestam depoimento na PF no Rio
Ministros do STF criticam espetacularização da Lava Jato ao prender Temer


Na sala maior, há uma aérea de trabalho, com mesa e cadeira. No lado oposto, em um canto, há uma cama de solteiro. Ao lado da mesa, está um frigobar. Uma TV também será levada ao local. À noite, ofereceram jantar ao ex-presidente. Mas Temer recusou a oferta.

Segundo relatos, Temer manifestou irritação ao chegar à sala. Ele se diz injustiçado.
O ex-ministro Carlos Marun, que visitou o ex-presidente nesta manhã (22), diz que, sem as janelas, a luz artificial fica ligada o tempo todo. Ainda segundo ele, o aposento é um escritório adaptado: "Não é o ideal. Mas ele está sendo bem tratado", disse o ex-ministro.

Segundo Marun, Temer tem manifestado muita preocupação com sua família. O ex-presidente teme, entre outras coisas, que o caçula seja hostilizado na escola. "Ele está sem contato externo e fica preocupado. Mas eu disse que está tudo bem. Que é hora de se preocupar com ele", conta Marun.

Ainda segundo o ex-ministro, Temer, que ontem vestia uma roupa social, hoje usa um abrigo. Em sua decisão sobre o local da prisão, o juiz Marcelo Bretas determinou que a PF forneça, se tiver condições, "itens mínimos" compatíveis com os oferecidos a Lula em Curitiba.

"Entendo que o tratamento dado aos ex-presidentes deve ser isonômico, uma vez que o ex-presidente Lula está custodiado na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba", escreveu o juiz.

Inicialmente, Bretas havia determinado que Temer fosse enviado ao Batalhão Especial Prisional (BEP), unidade gerida pela Polícia Militar do Rio em Niterói, na região metropolitana da capital. Reservada a policiais, a unidade mantém hoje o ex-governador Luiz Fernando Pezão, acusado de participar do esquema de corrupção do ex-governador Sérgio Cabral.

A mudança foi feita a pedido da defesa de Temer e após consulta à Polícia Federal, que afirmou ter condições de custodiar o ex-presidente, preso na manhã desta quinta (21) na Operação Descontaminação, que apura corrupção em obras da usina nuclear Angra 3. O ex-presidente chegou ao local no início da noite e foi recebido por cerca de dez manifestantes que gritavam "golpista" e "ladrão".

O ex-ministro Moreira Franco e João Batista Lima Filho, o coronel Lima, ficarão no BEP, segundo decisão de Bretas. Na unidade há uma sala de Estado-Maior, mais espaçosa e com mesa e banheiro, onde hoje está Pezão.

Com 272 vagas, o BEP tinha em outubro 239 presos, segundo os últimos dados disponíveis pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Instalado em uma construção antiga, a unidade tem campo de futebol e horta.

Nos anos 1990, antes de se tornar presídio para policiais, as instalações receberam bicheiros condenados pela juíza Denise Frossard e ficaram conhecidas como Sítio do Pica Pau Amarelo, pelo tratamento favorável aos contraventores.

Passou a abrigar apenas policiais em 2015, com a desativação do BEP em Benfica, zona norte do Rio, depois que uma juíza foi agredida por presos durante inspeção para investigar mordomias permitidas aos presos.

No novo BEP de Niterói, uma policial foi presa em flagrante em fevereiro enquanto tentava entrar com equipamentos e insumos para churrasco. Moreira Franco foi transferido para o local na noite desta quinta.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: