Macron e Bolsonaro em encontro em Osaka
Macron e Bolsonaro em encontro em OsakaFoto: Frederico Mellado/ARG

O vaivém do encontro de Jair Bolsonaro com o presidente da França, Emmanuel Macron, nesta sexta-feira (28) expôs diferentes versões de ambos os governos sobre a reunião. As comitivas dos dois países vinham combinando uma conversa, mas, enquanto os brasileiros anunciaram uma bilateral com Macron (tipo de reunião que tem um caráter mais formal), os franceses desejavam um diálogo com Bolsonaro em tom de informalidade.

A assessoria do brasileiro divulgou, na quarta-feira (26), o encontro à imprensa e abriu espaço para o credenciamento de jornalistas. Às 11h desta sexta (horário local), pouco mais de três horas antes da reunião anunciada por Bolsonaro, no entanto, a Presidência informou o cancelamento.

Leia também:
Macron diz que não assinará acordo com Mercosul caso Brasil deixe pacto climático


Integrantes da comitiva de Macron disseram à reportagem que nunca houve uma agenda formal com Bolsonaro. E que Macron queria dar ar de "informalidade" à conversa. Repórteres franceses relataram nunca terem sido avisados pelo governo europeu sobre o compromisso.

As explicações sobre as mudanças dos planos são divergentes nas duas comitivas. O porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, disse que o compromisso foi discutido desde o início entre as duas chancelarias.

Segundo ele, Macron pediu que a agenda fosse antecipada para as 23h de quinta-feira (27, 11h no horário de Brasília), o que Bolsonaro recusou, pois, de acordo com o porta-voz, o presidente brasileiro havia desembarcado naquela tarde em Osaka, no Japão.
Os dois ficaram então de encontrar espaço de última hora na sexta, como ocorreu.

Segundo Rêgo Barros, na conversa que durou de 15 a 30 minutos, os líderes discutiram questões climáticas, a fronteira entre Brasil e Guiana, comércio internacional e acordo entre União Europeia e Mercosul. O porta-voz afirmou que Bolsonaro convidou o presidente francês para visitar a região amazônica no Brasil e que reafirmou seu compromisso com o Acordo de Paris, que trata de questões climáticas.

O vaivém na agenda ocorre em meio a críticas de líderes europeus à política ambiental brasileira. Macron disse em entrevista que não assinaria acordos comerciais com o Brasil caso o país deixasse o Acordo de Paris.

A polêmica em torno do pacto ambiental ocorre porque Bolsonaro, durante a campanha presidencial, cogitou sair do acordo, o que provocou grande repercussão.  Dois dias antes do segundo turno da eleição, porém, afirmou que, se fosse eleito presidente, manteria o Brasil no Acordo de Paris, desde que a soberania plena da Amazônia fosse preservada.

Em janeiro, na plenária do Fórum Econômico Mundial, em Davos, em outro aceno na mesma direção, Bolsonaro disse que o país pretende estar sintonizado com o mundo na busca da diminuição de CO2 e na preservação ambiental. Na última quarta-feira (26), a chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou na véspera do embarque para o G20 que estava preocupada com a situação do desmatamento na Amazônia. A mandatária alemã e Bolsonaro se reuniram na tarde desta sexta em Osaka (horário no local) em encontro que não estava previsto nas agendas.

Além de Macron e Merkel, Bolsonaro se reuniu na sexta com o presidente americano Donald Trump e, no sábado, tem bilaterais previstas com outros cinco líderes: Xi Jinping (China), Shinzo Abe (Japão), Lee Hsien-Loong (Singapura), Narendra Modi (Índia) e Mohammed bin Salman (Arábia Saudita).

veja também

comentários

comece o dia bem informado: