Presidente nacional do PCdoB, Luciana Santos, falou à coluna digital No Cafezinho, que está no ar nas redes sociais, no Blog e no YouTube da Folha de Pernambuco
Presidente nacional do PCdoB, Luciana Santos, falou à coluna digital No Cafezinho, que está no ar nas redes sociais, no Blog e no YouTube da Folha de PernambucoFoto: Arthur de Souza

Primeira vice-governadora mulher de Pernambuco, a deputada federal Luciana Santos (PCdoB) terá pela frente não apenas a missão de ser uma pioneira no cargo, mas também o desafio de equilibrar suas funções institucional e partidária. Presidente nacional da legenda comunista, a parlamentar terá que conciliar o papel republicano no Palácio das Princesas com o comando de uma das principais siglas de oposição do País. O primeiro compromisso seria a reunião dos governadores eleitos com a equipe do futuro presidente Jair Bolsonaro (PSL) na próxima quarta-feira (12). No entanto, a presença da comunista no ninho liberal da futura gestão não está garantido.

O evento, segundo Luciana Santos, tem contorno mais político do que institucional. Foi convocado pelos governadores eleitos João Doria (São Paulo), Wilson Witzel (Rio de Janeiro) e Ibaneis Rocha (Distrito Federal). "Não é Bolsonaro que está convidando, ele está sendo convidado. Não é uma iniciativa do presidente eleito", afirmou, em entrevista durante o No Cafezinho, nesta segunda-feira (12).

Leia também
[Vídeo] No Cafezinho: João Campos sai em defesa da criação do Draco e cogita problema de comunicação
PDT, PSB e PCdoB vão atuar em bloco na Câmara em oposição a Bolsonaro
[No Cafezinho] As articulações entre PT e PSB em Pernambuco
'Bolsonaro não usou políticos para se eleger', diz Érika Siqueira


Diante da indefinição, Luciana diz que há resistências e sua participação não está garantida no ato. A ordem é monitorar se outros governadores também cogitam desistir do encontro. A palavra final sobre uma representação do Palácio das Princesas na reunião será do governador Paulo Câmara (PSB) - que está de férias, mas monitora as articulações para o encontro. A vice-governadora eleita afirma já haver sinalizações para desistir do encontro pelo governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), e de Alagoas, Renan Calheiros (MDB).

Na conversa com as jornalistas Renata Bezerra de Melo e Carol Brito, Luciana Santos também aposta na ampliação do espaço do PCdoB no Governo Paulo Câmara e diz que a definição sobre uma candidatura de João Paulo em 2020 será tomada junto com a Frente Popular. Olinda e Jaboatão dos Guararapes podem ser alternativas na mesa. No Recife, o cenário é mais complicado com a prioridade do PSB na sucessão de Geraldo Julio (PSB). No cenário nacional, Luciana Santos afirma que a frente de esquerda não deve ter dono e que é preciso convergência no campo político para enfrentar os próximos quatro anos do Governo Bolsonaro.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: