Presidente Michel Temer
Presidente Michel TemerFoto: Evaristo Sá/AFP

 

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou nesta quinta-feira (14) o presidente Michel Temer sob acusação de obstrução da Justiça e organização criminosa. Foram denunciados também seis peemedebistas e os delatores Joesley Batista, dono da JBS, e Ricardo Saud, executivo do grupo.

A denúncia, um compilado de acusações já conhecidas, é a segunda de Janot contra Temer -a primeira, por suposta corrupção passiva, foi suspensa pela Câmara em agosto. O procurador-geral deixa o cargo em dois dias.

Leia também

STF rejeita suspeição de Janot para atuar em processos contra Temer
Defesa diz que Janot agiu de forma parcial nas investigações contra Temer
STF analisa denúncia de Temer contra Janot

Os alvos peemedebistas são os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral) e os ex-deputados Eduardo Cunha (RJ), Henrique Alves (RN), Geddel Vieira Lima (BA) e Rodrigo Rocha Loures (PR).

Junto com o presidente, eles são acusados de formar uma organização que cometeu crimes em troca de propina em órgãos como Petrobras, Furnas, Caixa Econômica Federal, Ministério da Integração Nacional e Câmara. O esquema teria gerado ao menos R$ 587 milhões.

Joesley e Saud, da JBS, foram acusados, junto com Temer, de tentar embaralhar as investigações sobre a organização criminosa. Essa investigação começou após o empresário gravar o presidente no Palácio do Jaburu.
Para a PGR (Procuradoria-Geral da República), Temer deu aval para a JBS comprar o silêncio de Cunha e do operador financeiro Lúcio Funaro, ambos presos.
Janot pediu ao ministro Edson Fachin, relator do caso no STF (Supremo Tribunal Federal), o desmembramento do processo em relação aos executivos da JBS e aos ex-deputados que não têm foro privilegiado -Geddel, Alves e Cunha- para que eles sejam julgados pelo juiz federal Sergio Moro, no Paraná.
Joesley e Saud foram denunciados porque perderam a imunidade que haviam acordado com a PGR em maio. O acordo foi rescindido por Janot, que entendeu que eles omitiram de má-fé informações na delação. A rescisão ainda precisa de aval de Fachin. Segundo a PGR, as provas derivadas do acordo continuam válidas.
Para que a denúncia contra Temer possa virar ação penal, é preciso autorização de dois terços da Câmara. Se houver autorização, a denúncia poderá ser analisada pelo STF. Só então, se for recebida pelos ministros, Temer virará réu e será afastado por até 180 dias, no decorrer do processo. Se condenado, o presidente perde o mandato.
Temer é apontado como chefe da organização criminosa conhecida como "quadrilhão do PMDB da Câmara". Relatório da Polícia Federal concluído na segunda (11) apontava no mesmo sentido.
"Temer dava a necessária estabilidade e segurança ao aparato criminoso, figurando ao mesmo tempo como cúpula e alicerce da organização", escreveu Janot na denúncia.
Segundo a peça, a organização se consolidou durante o governo do ex-presidente Lula, quando o petista precisava ampliar sua base no Congresso. Inicialmente composta também por membros do PT e do PP, a suposta quadrilha teria tido um realinhamento com a ascensão do PMDB à Presidência, em 2016.
Pela denúncia, que tem por base delações como a de Funaro e a da JBS, por volta de 2006, Lula precisava de apoio do PMDB da Câmara para prorrogar a CPMF e resistir à crise do mensalão. Quem passou a negociar cargos com tal fim foram Temer e Alves, à época presidente e líder do PMDB, respectivamente.
Para Janot, a recente relação com a JBS demonstra que o grupo continuava na ativa, o que permite denunciar Temer durante seu mandato.
"O negócio escuso firmado com o grupo J&F é prova cabal de que a organização ora denunciada continuou suas atividades criminosas com o término do governo Dilma, sendo que desde então os integrantes do núcleo político do PMDB assumiram o protagonismo nessa organização, em especial Michel Temer, em razão de ser hoje o chefe do Poder Executivo Federal."

 

veja também

comentários

comece o dia bem informado: