Cristiano Zanin Martins
Cristiano Zanin MartinsFoto: Filipe Araújo/divulgação PT

Ao deixar a sede da Polícia Federal em Curitiba após visitar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva neste domingo (8), o advogado Cristiano Zanin Martins afirmou que o seu cliente está "indignado com essa situação".

"Não há motivo jurídico para ele estar preso, mas ele está bem", afirmou, ao deixar o prédio em um táxi pela porta dos fundos. Ele não disse se o ex-presidente assistiu ao jogo do Corinthians ou como dormiu, assim como não informou o teor da conversa com Lula.

Leia também:
Militantes do PT marcam presença em frente à PF em Curitiba
Críticas de Lula são ofensa irresponsável e delírio, diz associação de procuradores
Militância promete 'vigília permanente' após prisão de Lula


"Por ora não há estratégia jurídica que posso adiantar", afirmou, dizendo que teve "conversa de advogado e cliente". "Vamos tomar as providências para que essa prisão seja revogada", acrescentou.

Segundo Zanin, o processo desde o início tem "uma motivação política". "Penso que o ex-presidente Lula se considera, sim, um preso político."

Comida

Mais cedo, o veículo que serve o jantar para os presos da sede da Polícia Federal em Curitiba, da empresa Blumenauense, entrou no prédio.

Os pratos são compostos de arroz, feijão, carne assada, macarrão e chuchu, segundo o motorista Claudio Almeida. O jantar é servido às 18h.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: