Presidente da República Michel Temer
Presidente da República Michel TemerFoto: Marcos Corrêa/PR

Foi durante uma solenidade da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), na noite desta quinta (24), que o presidente Michel Temer (MDB) anunciou um acordo para dar fim à greve de quatro dias de caminhoneiros que provocou uma crise de abastecimento no país.

Enquanto Temer assistia ao evento em comemoração ao Dia da Indústria, em Belo Horizonte, o governo e um grupo de caminhoneiros chegaram a um acordo para suspender por 15 dias as paralisações nas estradas. "Antes de fazer as saudações de praxe, quero fazer uns brevíssimos comentários: o primeiro deles talvez seja dar uma boa notícia que eu acabo de receber", disse o presidente ao iniciar seu pronunciamento e anunciar o acordo.

"O chefe da Casa Civil está anunciando o pré-acordo feito com todas as categorias, será levado a Assembleia geral, eu espero que até amanhã (sexta-feira) está questão esteja solucionada."

Leia também:
AGU já obteve mais de 15 liminares para desbloquear rodovias federais


Segundo Temer, as principais fontes do acordo foram as reduções do PIS/Cofins e da Cide sobre os combustíveis. Ainda em sua fala para empresários e industriais, Temer informou que convidou os secretários estaduais da Fazenda para discutir nesta sexta (25) também a redução do ICMS, imposto estadual.

"A incidência maior do tributo é um tributo de natureza estadual, é o ICMS, e nós queremos que amanhã nós também possamos retirar uma parcela do ICMS", disse Temer, sendo interrompido por aplausos da plateia.

A fala gerou um clima de constrangimento com o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), que havia acabado de discursar cobrando medidas de Temer para solucionar a crise, como a revisão da política de preços da Petrobras.
Em seu discurso e também em pronunciamento à imprensa, Temer exaltou as negociações do governo. "Eu sai hoje depois de fazer várias reuniões com a Petrobras, com o Ministério da Fazenda e Planejamento e todos os demais, passei pelo Rio, mas quando saí de lá, o acordo já estava avançado."

Em seu discurso e também em pronunciamento à imprensa, Temer exaltou as negociações do governo e disse que os caminhoneiros prestam um serviço inestimável ao país.

"Eu sai hoje depois de fazer várias reuniões com a Petrobras, com o Ministério da Fazenda e Planejamento e todos os demais, passei pelo Rio, mas quando saí de lá, o acordo já estava avançado."

"Confesso que eu saio daqui animado. Vou ainda a Brasília seguramente tentar encerrar essas negociações últimas para quem sabe amanhã nós possamos todos comemorar mais uma vez a vitória do diálogo", completou Temer.

O presidente afirmou ainda que não foram poucas as vezes que disseram a ele que as Forças Armadas deveriam ser acionadas. "Isso durou dois, três dias e nós não fizemos isso. Se fosse necessário, nós faríamos porque a autoridade haverá de estar sempre presente nos atos de governo."

veja também

comentários

colabore com a folha

comece o dia bem informado: