Série de 16 documentos inéditos revela uma operação secreta nos anos 1970 entre ditaduras da América do Sul contra o governo do então presidente dos EUA, Jimmy Carter (1977-81)
Série de 16 documentos inéditos revela uma operação secreta nos anos 1970 entre ditaduras da América do Sul contra o governo do então presidente dos EUA, Jimmy Carter (1977-81)Foto: Reprodução/Wikipedia

Uma série de 16 documentos inéditos revela uma operação secreta nos anos 1970 entre ditaduras da América do Sul contra o governo do então presidente dos EUA, Jimmy Carter (1977-81).

Segundo os papéis, os militares montaram uma reação em bloco, do qual o Brasil não quis participar, contra críticas de Carter sobre as violações de direitos humanos que ocorriam na região. Os documentos, que têm carimbo de secreto, foram obtidos pelo pesquisador Matias Spektor, colunista da Folha de S.Paulo e professor de relações internacionais da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Os textos descrevem uma operação de codinome Faro a partir de 9 de maio de 1977, quando o presidente Ernesto Geisel recebeu uma carta do colega uruguaio. Aparicio Méndez (1904-1988) anunciou uma missão de seu enviado ao Brasil, o general Gregorio Alvarez (1925-2016), então chefe de divisão do Exército e que viria a governar o Uruguai em 1981 -o país sofreu um golpe de Estado em 1973.

Geisel recebeu a cartas das mãos de Alvarez em audiência no Palácio do Planalto.
O uruguaio disse que seu governo estava preocupado com "as posições políticas assumidas pelo presidente Carter desde sua posse", em especial "a campanha relativa aos direitos humanos e as medidas concretas levadas a efeito contra alguns governos latino-americanos".

Leia também:
Ditadura abafou apuração de corrupção, revela documento
Ministro diz que documento da CIA sobre ditadura brasileira é assunto para historiador


Alvarez disse a Geisel que havia um "perigo" entre medidas analisadas no Banco Mundial e no Banco Interamericano de Desenvolvimento, pois os EUA queriam vincular a proteção dos direitos humanos à liberação de recursos. Propôs uma reunião dos presidentes da região e disse que o plano já tinha o apoio de Argentina, Paraguai e Chile.

No mesmo dia, segundo os documentos, Geisel convocou uma reunião no Alvorada com o chanceler brasileiro, Azeredo da Silveira, e os ministros e generais João Baptista Figueiredo (SNI), Hugo Abreu (Casa Militar) e Golbery do Couto e Silva (Casa Civil). Geisel decidiu que sua participação no esforço contra Carter seria "inoportuna e inconveniente".

"O quadro político brasileiro não é idêntico aos dos demais países do cone sul, que estão passando por uma etapa indispensável da repressão da subversão", disse.
Além disso, "o Brasil sempre seguiu a política de não criar blocos [e] não participar de blocos" regionais, e um grupo como o sugerido "criaria desconfianças". Para Geisel, "é muito mais eficaz que os países atingidos por alguma dessas medidas tenha ação concertada, mas não pública".

No encontro, o general afirmou que Alvarez lhe explicou que a ideia era "uma ação destinada a convencer o governo norte-americano da necessidade de corrigir algumas de suas diretrizes, de modo a fortalecer o mundo ocidental".

Geisel ponderou: "O resultado aparente final será a criação de um grupo para combater a atual administração norte-americana, o que trará graves danos à política bilateral com os EUA e o relacionamento dos países do cone sul com os demais do Ocidente". Para ele, "o que importava e ainda importa é quebrar o 'impetus' inicial da administração norte-americana, o que parece estar acontecendo".

Em seguida, Geisel determinou que o general Octavio Aguiar de Medeiros (1922-2005) levasse pessoalmente sua resposta durante reunião em Montevidéu de 12 a 16 de maio de 1977, com representantes do Uruguai, Argentina, Bolívia, Chile e Paraguai.

Medeiros disse depois que procurou mostrar, no encontro, "as dificuldades e os inconvenientes" de uma ação contra os EUA.

O general Alvarez retrucou falando do "desrespeito dos EUA à soberania" dos países e "a ameaça crescente da subversão e da expansão comunista no Ocidente". Segundo a documentação, naquele momento ficou claro que a iniciativa do bloco partira na verdade do Chile, que "propôs ao Uruguai que a patrocinasse". Sob a ditadura de Augusto Pinochet (1915-2006), o Chile já havia desencadeado na mesma época a Operação Condor, associação entre países latinoamericanos para localizar e matar opositores dos regimes militares locais.

Ao final da reunião, os participantes se manifestavam em favor da aliança. O Brasil, último a falar, se disse contrário, para surpresa dos presentes. O representante da Argentina disse que seu país também não faria parte da aliança.

Medeiros escreveu que "a situação de isolamento e abandono a que se sentem, principalmente esses dois países [Chile e Uruguai], em face da política exterior do atual governo dos EUA é a causa principal da iniciativa tomada".

"Qualquer referência" ao assunto "deverá ser feita, entre os países participantes, pela designação código Operação Faro", continuou, sem explicar o porquê do nome.
Para Spektor, a decisão de Geisel se explica porque, "quando o regime militar brasileiro fazia sua abertura, os do Chile, Uruguai e Argentina estavam se fechando".

Jair Krischke, presidente do Movimento de Justiça e Direitos Humanos gaúcho, disse que os papéis mostram uma contradição da ditadura brasileira. "Poucos meses antes, em março, o Brasil havia denunciado o acordo militar com os EUA porque o governo Carter criticara o país por sua política de direitos humanos".

veja também

comentários

comece o dia bem informado: