O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro
O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio MoroFoto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

O ministro Sergio Moro (Justiça) afirmou em rede social nesta quarta-feira (12) que o episódio envolvendo o vazamento de troca de mensagens entre ele e o procurador Deltan Dallagnol, da Lava Jato, não vai interferir na missão de sua gestão, incluindo a aprovação do projeto anticrime no Congresso.

"Hackers de juízes, procuradores, jornalistas e talvez de parlamentares, bem como suas linhas auxiliares ou escândalos falsos não vão interferir na missão", disse. Moro publicou dados do Sinesp (Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública) que, segundo ele, mostram uma queda de 23% de homicídios em relação ao primeiro bimestre do ano passado.

"Ressalvas: 1- Precisamos trabalhar para a redução ser permanente e constante; 2 - muitos fatores influenciam a queda, o mérito não é só do Governo Federal, mas também dos estaduais e distrital; e 3 - mesmo com a redução, os números ainda são altos, precisamos trabalhar muito mais", escreveu o ministro.

Leia também:
Bolsonaro diz que vai indicar Sergio Moro para vaga no STF
Guedes sugere que caso Moro é tentativa de prejudicar Previdência
Demissão de Moro jamais foi discutida, diz porta-voz de Bolsonaro após vazamentos

"Ressalvas: 4 - ajudaria a aprofundar a queda a aprovação do projeto anticrime, mas respeitamos a prioridade da Nova Previdência", completou.  Segundo a reportagem do The Intercept Brasil, Moro sugeriu na troca de mensagens com o MPF (Ministério Público Federal) mudar a ordem de fases da Lava Jato, cobrou a realização de novas operações, deu conselhos e pistas e antecipou ao menos uma decisão judicial.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: