Controladoria Geral da União (CGU)
Controladoria Geral da União (CGU)Foto: Iano Andrade/Portal Brasil

Parecer da Controladoria-Geral da União (CGU), órgão de controle interno do Executivo, contradiz entendimento do governo de Jair Bolsonaro para negar acesso a pareceres e estudos técnicos que embasam a reforma da Previdência enviada ao Congresso em fevereiro.

Ao avaliar pedido de um cidadão para ter acesso aos mesmos documentos, referentes à proposta de Michel Temer para mudanças nos regimes previdenciários, o órgão afirmou que o sigilo só se aplica até o envio do projeto de lei ao Legislativo.

O Ministério da Economia sustenta que os papéis da reforma de Bolsonaro são documentos preparatórios, ou seja, usados na elaboração de atos administrativos e de tomada de decisões.

A pasta argumenta que conforme o decreto 7.724/2012, que regulamenta a Lei de Acesso à Informação, a publicidade desse tipo de material só se dá a partir da edição do ato administrativo ou da decisão a que ele se refere. A PEC, no entanto, já foi editada pelo governo e remetida para o Congresso em fevereiro deste ano. Desde então, sua tramitação não é mais da alçada do Executivo.

Para a Transparência Brasil, entidade sem fins lucrativos que milita pelo controle social do poder público, o sigilo só faria algum sentido antes de o texto ser enviado aos parlamentares.

A Secretaria da Previdência alega, contudo, que a restrição de acesso vale até a aprovação da proposta, que ainda está em tramitação. A negativa do governo de Bolsonaro se deu em um pedido de acesso aos documentos da reforma feito pela Folha, por meio da LAI, como o jornal noticiou no domingo (21).

Leia também:
Governo cede e aceita mudar pontos da reforma na CCJ e sigilo causa tumulto
Sigilo de estudos sobre reforma da Previdência tem de cair em breve, diz Maia


Ao analisar uma solicitação idêntica à do jornal, feita por um cidadão em 2017, a Ouvidoria-Geral da União, vinculada à CGU, entendeu que os pareceres e estudos da reforma de Temer deveriam ser liberados logo após o envio ao Congresso. A solicitação havia sido feita à Casa Civil, que havia se negado a entregar os papéis por três vezes.
Diante disso, o requerente apelou à CGU.

"Entende-se que a salvaguarda legalmente atribuída aos documentos que fundamentaram a referida PEC [Proposta de Emenda à Constituição] se exauriu no momento em que a mesma foi apresentada ao Congresso Nacional", concluiu o órgão em sua análise sobre o caso.

A controladoria intercedeu perante a Casa Civil, que remeteu o material pleiteado ao cidadão. O parecer consta do banco de precedentes da LAI, mantido pela própria CGU.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: