Por cargo na Mesa Diretora, PT libera senadores para votação no Senado

Maioria da bancada deve apoiar a candidatura de Eunício Oliveira, o favorito na disputa

Senadora Gleisi Hoffmann (PT)Senadora Gleisi Hoffmann (PT) - Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Em mais uma mudança de posicionamento, o PT decidiu liberar a bancada de dez senadores nas eleições do Senado que ocorrem na tarde desta quarta-feira (1).

Pela manutenção de cargo na Mesa Diretora e espaço nas comissões permanentes da Casa, a maioria da bancada decidiu, em reunião na noite de terça (31), que o partido deveria apoiar a candidatura de Eunício Oliveira (PMDB-CE), o favorito na disputa à Presidência do Senado.

Até a noite de terça, era vitorioso um discurso voltado para a militância petista, defendido especialmente pelos senadores Lindbergh Farias (RJ) e Gleisi Hoffmann (PR), segundo o qual o PT não poderia apoiar um candidato do partido que protagonizou as negociações pró-impeachment, o PMDB. Dessa forma, a tese é de que o partido, preferencialmente, não apoiaria candidato algum.

Pesando os prós e contras, contudo, os senadores decidiram liberar a bancada, que irá dividida para a votação desta tarde. Parte dará votos para o provável futuro presidente Eunício Oliveira. A outra deve se abster.

Esse acordo com o peemedebista teve sua primeira conversa um dia antes da votação do impeachment de Dilma Rousseff, como mostrou a reportagem em dezembro. Desde então já se sabia da divisão interna no PT, mas houve a garantia de alguns votos, entre quatro e seis, em troca da manutenção dos direitos políticos da petista.

De lá pra cá, seguiram-se diversas negociações. Apesar da bancada petista nunca ter sido unânime em torno de Eunício, quem defendeu a aproximação afirmou que ele sempre se manteve discreto durante o período da votação do afastamento da petista.

Além disso, pesou para a decisão do PT a quantidade de cargos em jogo. Só a primeira secretaria, que passou a ser negociada para o senador José Pimentel (PT-CE), tem hoje 63 servidores lotados, conforme dados do portal da transparência do próprio Senado.

O próprio ex-presidente Lula defendeu essa tese e liberou as bancadas tanto da Câmara, quanto do Senado, para apoiar os candidatos do governo, respectivamente, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e Eunício Oliveira.

Veja também

Após Cúpula do Clima, Bolsonaro diz que críticas ao Brasil não se justificam
Meio Ambiente

Após Cúpula do Clima, Bolsonaro diz que críticas ao Brasil não se justificam

Maioria do STF vota para manter decisão que considerou Moro parcial
Política

Maioria do STF vota para manter decisão que considerou Moro parcial