Eleições 2022

Pré-candidato ao Governo do Rio, Freixo deixa PSOL e deve se filiar ao PSB

O deputado Marcelo Freixo deixou o PSOL e deve ingressar no PSBO deputado Marcelo Freixo deixou o PSOL e deve ingressar no PSB - Foto: Divulgação/Facebook

O deputado Marcelo Freixo (RJ) anunciou nesta sexta-feira (11) sua desfiliação do PSOL, onde estava desde 2005. Em entrevista à revista Veja, ele disse que se filia ao PSB ainda neste mês.

Freixo é pré-candidato ao Governo do Rio e escolheu o marqueteiro Renato Pereira como um dos estrategistas para a sua campanha eleitoral.

A escolha foi lida no meio político como demonstração de sua disposição em disputar o cargo em um cenário ainda indefinido da política fluminense. Freixo inclui em sua equipe um ex-colaborador próximo do ex-governador Sérgio Cabral, seu rival político há anos no estado e preso desde novembro de 2016.

O marqueteiro foi inicialmente incluído no grupo para coordenar pesquisas de análise do cenário político fluminense. A intenção é que ele permaneça até a eleição de 2022.

Renato venceu duas eleições estaduais com Cabral e fez a campanha do sucessor, Luiz Fernando Pezão. Também fez as duas primeiras campanhas vitoriosas de Eduardo Paes (PSD) à Prefeitura do Rio de Janeiro.

 

O marqueteiro também fechou há dois anos acordo de colaboração premiada com a Procuradoria-Geral da República no qual confessou sua participação em fraudes de licitação e caixa dois em campanhas eleitorais. Além de Cabral, a delação atinge Paes, com quem Freixo tem dialogado sobre uma frente antibolsonarista no estado.

"Renato é um excelente profissional, um dos mais qualificados do país. Minhas campanhas sempre foram feitas como essa também será: com transparência e correção. Não há condenação perpétua sobre ninguém. Temos que reunir o que tem de melhor para resgatar o Rio", disse Freixo.

Além das disputas no Rio de Janeiro, Renato atuou em campanhas de Henrique Capriles na Venezuela contra o ditador Hugo Chavez, morto em 2013, e do ex-presidente peruano Pedro Paulo Kuczynski, o PPK, que renunciou na esteira de escândalos de corrupção apontados pela Lava Jato.

Ele também fez o início da pré-campanha presidencial de Aécio Neves (PSDB), em 2013, e de Paulo Skaf (MDB) ao Governo de São Paulo, tendo elaborado a campanha do "pato da Fiesp", também alvo da sua colaboração à PGR. Procurado, ele não quis comentar o novo projeto.

O retorno de Renato ao mercado da política coincide com a volta de João Santana, outro marqueteiro que se tornou colaborador da Lava Jato apontando supostos crimes cometidos pelo ex-presidente Lula e outros membros do PT. Ele agora integra a equipe de Ciro Gomes (PDT).

A entrada de Renato coincide com a saída de Freixo do PSOL. O deputado deve ir para o PSB para ampliar a possibilidade no arco de aliança que pretende construir no ano que vem.

"O meu nome está à disposição. Mas se tiver outro nome com mais chances, não há problema com isso. Muita gente está chegando", afirmou ele.

Freixo já conta com o apoio do PT e tem Lula como principal fiador de sua campanha.

O ex-presidente passa o fim desta semana no Rio de Janeiro em encontros com potenciais aliados. Participou nesta quinta-feira (10) de encontro com líderes de esquerda. Na sexta-feira (11), almoça com Paes e com brizolistas históricos que deixaram o PDT, como Vivaldo Barbosa (PT). O ex-presidente tem também um encontro com artistas.

O PDT considera difícil embarcar na candidatura de Freixo, o que exigiria um palanque dividido entre Ciro e Lula. O ex-prefeito de Niterói Rodrigo Neves, também citado na colaboração de Renato Pereira, é um dos nomes cotados do partido.

O deputado tem tentado ampliar sua base de apoio com partidos de centro. Uma das conversas constantes é com o prefeito do Rio, Eduardo Paes, que recentemente migrou do DEM para o PSD para ter maior liberdade para a discussão de aliança no estado.

O grupo de Paes ainda avalia se embarca na candidatura de Freixo ou se apresenta um nome próprio. O mais cotado é do presidente nacional da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Felipe Santa Cruz. O secretário municipal de Fazenda, Pedro Paulo (DEM), também é citado como possível candidato do grupo.

O movimento tenta formar uma ampla aliança para enfrentar o governador Cláudio Castro (PL), que assumiu o cargo depois do processo de impeachment de Wilson Witzel e que deve contar com apoio do presidente Jair Bolsonaro.

Castro, por sua vez, tem se aproximado de prefeitos da Baixada Fluminense e do interior. Ele tem forte apoio do prefeito de Duque de Caxias, Washington Reis (MDB), também aliado de Bolsonaro.

O governador tem sinalizado radicalização de seu discurso nas últimas semanas, o que agradou eleitores bolsonaristas. Após a operação policial na favela do Jacarezinho que deixou 28 pessoas mortas, a mais letal da história do estado, ele atacou Freixo e "sua trupe do PSOL".

"Depois de uma operação feita para cumprir mandados judiciais, eles acham que vão meter medo na gente, vão fazer com que a polícia deixe de fazer o seu trabalho, querendo inventar CPI ou pedido impeachment. Seu Marcelo Freixo e a sua trupe do PSOL podem pedir quantos impeachments forem que a polícia fará o seu trabalho. Temos uma grande missão hoje aqui, que é libertar o nosso povo. Libertaremos nosso povo, inclusive, de vocês", discursou ele.

Castro também aposta nos R$ 22,7 bilhões arrecadados com a venda da Cedae e na adesão ao novo Regime de Recuperação Fiscal, o que lhe deu fôlego financeiro para investimentos.

Aliados acreditam que os recursos poderão auxiliar Castro a enfrentar um de seus maiores desafios -firmar sua identidade para além de Bolsonaro, porém sem se descolar do presidente.

Para interlocutores, o governador é uma folha em branco e, com os valores da Cedae, terá a oportunidade de deixar sua marca, por meio de grandes investimentos e projetos.

Veja também

Governo mira sobra de R$ 9 bi do Bolsa Família para turbinar área social às vésperas de eleição
Eleições

Governo mira sobra de R$ 9 bi do Bolsa Família para turbinar área social às vésperas de eleição

Molon apresenta projeto para sustar decreto de Bolsonaro que libera militares da ativa no governo
OPOSIÇÃO

Molon apresenta projeto para sustar decreto de Bolsonaro que libera militares da ativa no governo