Prefeitos vão a Brasília pedir ajuda para pagar precatórios

Com uma dívida de R$ 18 bilhões, a capital paulista é a cidade que tem o maior endividamento do país

O prefeito de SP, Bruno CovasO prefeito de SP, Bruno Covas - Foto: Reprodução/Instagram

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), foi a Brasília negociar a criação de uma linha de crédito para ajudar municípios pagarem seus compromissos com precatórios -indenizações decorrentes de ações judiciais. Com uma dívida de R$ 18 bilhões, a capital paulista é a cidade que tem o maior endividamento do país. O segundo na lista de devedores é Guarulhos (SP), com um passivo de R$ 2,3 bilhões.
Juntos, os municípios devem um total de R$ 37 bilhões, segundo dados do Tesouro Nacional.

Estados e municípios haviam se comprometido em zerar esse passivo até 2020, mas diante de dificuldades financeiras, em 2017, o Congresso Nacional aprovou uma emenda constitucional estendendo o prazo até 2024. A legislação também prevê que o governo federal, seja por meio de empréstimo de bancos estatais, seja por meio de assunção das dívidas locais, deve ajudar governadores e prefeitos.




Leia também:
Prefeito do Rio Grande do Norte vira alvo de impeachment
Governo não tem recursos para financiar precatórios, diz ministro
Governadores resolvem apostar em secretários
Temer dá início a transição para próximo governo
Os prefeitos estão fazendo suas chapas para o Senado

A emenda foi aprovada há nove meses, mas a linha de crédito não saiu do papel. Isso motivou uma missão de prefeitos, liderada por Covas, nesta quinta-feira (13). Eles foram ao Palácio do Planalto, Ministério da Fazenda e Banco do Brasil. Embora São Paulo seja a principal interessada na medida, a assessoria de imprensa da prefeitura disse à reportagem que Covas participou das negociações em nome da FNP (Frente Nacional de Prefeitos), da qual é vice-presidente. 

A reportagem apurou que São Paulo pretende prever o empréstimo para o pagamento de precatórios já em 2019, na programação anual que tem de entregar ao Tribunal de Justiça. A obrigação visa demonstrar que os prefeitos estão cumprindo gradualmente com o compromisso assumido.

O problema, no entanto, é que a linha de crédito ainda não existe, e o Ministério da Fazenda já sinalizou que ela deve ficar para o próximo governo, eleito em outubro.
Segundo um dos presentes, a secretária-executiva, Ana Paula Vescovi, e o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, se comprometeram em pautar assunto com a equipe  econômica do próximo presidente. A equipe econômica tem alguns pontos de resistência em relação a criar novos empréstimos a municípios.

Entre 2013 e 2015, governadores contraíram dívidas para investir, com a bênção do governo federal. Mas os recursos se converteram em despesas com servidores.
Com o aprofundamento da recessão e o recuo na arrecadação de impostos, muitos ficaram em situação crítica, como o Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais.

O segundo ponto de resistência reside no fato de que o empréstimo estatal será subsidiado, pago com recursos do Tesouro. Isso porque a emenda constitucional prevê que os prefeitos e governadores arquem com uma taxa de juros igual à que corrige os precatórios: inflação (medida pelo IPCA) mais 6% ao ano. Esse percentual hoje é inferior ao custo de captação de BB e Caixa, o que implica na cobertura da diferença pelo governo. A atual equipe econômica adotou como agenda a retirada dos subsídios.

Veja também

Com apoio da oposição, manifestantes fazem carreatas por impeachment pelo país
Impeachment

Com apoio da oposição, manifestantes fazem carreatas por impeachment pelo país

Carreata no Recife pede impeachment de Bolsonaro e vacinação para todos
BLOG DA FOLHA

Carreata no Recife pede impeachment de Bolsonaro e vacinação para todos