Presença do argentino Macri na posse de Bolsonaro ainda é suspense

No fim de novembro, em entrevista, o chanceler argentino, Jorge Faurie, disse que Macri já falou com Bolsonaro ao telefone em três ocasiões, "nos melhores termos possíveis"

Mauricio Macri, presidente da Argentina Mauricio Macri, presidente da Argentina  - Foto: G20 Argentina/Handout via REUTERS

A presença do presidente argentino, Mauricio Macri, na posse do brasileiro Jair Bolsonaro ainda é suspense. A princípio, o mandatário argentino havia dito que iria. Porém, nos últimos dias, os jornais locais "La Nación" e "Perfil" afirmaram que Macri não compareceria à cerimônia de 1º de janeiro. Citando fontes de alto escalão do governo, os jornais disseram que Macri estaria de férias com a família, na Patagônia, como costuma fazer nos finais de ano.

No fim de novembro, em entrevista, o chanceler argentino, Jorge Faurie, disse que Macri já falou com Bolsonaro ao telefone em três ocasiões, "nos melhores termos possíveis". Bolsonaro já afirmou que gostaria de visitar o Chile antes da tradicional passagem pela Argentina, quebrando uma tradição na relação bilateral que vem desde a redemocratização de ambos os países.

Leia também:
Governo Bolsonaro tornará mais difícil acordo entre UE e Mercosul, diz Merkel
'Cautela' na segurança da posse de Bolsonaro, diz ministro Etchegoyen


Em 2015, recém-eleito e sem ainda tomar posse, Macri desembarcou em sua primeira viagem internacional em Brasília, para um encontro com a então presidente, Dilma Rousseff, e depois em São Paulo, onde se encontrou com empresários na sede da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo). Agora, Bolsonaro indica uma mudança na tradição, devido à admiração professada por ele e seu futuro ministro da economia, Paulo Guedes, com relação ao sistema econômico chileno.

Faurie disse que não há ressentimentos. "Se ele quiser ir antes ao Chile, é uma escolha dele, não nos sentimos de nenhum modo deixados de lado. Há que ver se vai ser assim mesmo. O que posso dizer é que os dois [Bolsonaro e Macri] estão conversando em ótimos termos e em breve irão se encontrar." Durante a campanha eleitoral, Macri revelou a seu círculo mais íntimo uma preferência pela candidatura de Fernando Haddad (PT), por ter convivido com ele quando ambos eram prefeitos: Haddad de São Paulo, e Macri, chefe de governo de Buenos Aires.

Embora coincidam na ideia de tornar o Mercosul um mecanismo mais pragmático, Macri teme ser associado de maneira muito explícita à imagem de Bolsonaro, tida na Argentina como a de um político de extrema-direita, justamente quando o argentino tem feito gestos de aproximação ao centro e à centro-esquerda, com vistas à reeleição, em 2019.

Veja também

Responsabilização de Bolsonaro está mais próxima, avalia CPI
CPI DA COVID

Responsabilização de Bolsonaro está mais próxima, avalia CPI

Barroso, do STF, rejeita ação de Bolsonaro contra decretos estaduais que limitaram circulação
Covid-19

Barroso, do STF, rejeita ação de Bolsonaro contra decretos estaduais que limitaram circulação