Política

Presidente do BB atende Bolsonaro, demite diretor e tira do ar comercial com jovens descolados

No ar desde o início de abril, a propaganda foi suspensa no último dia 14 depois que o presidente assistiu ao filme

Trecho da propaganda do Banco do BrasilTrecho da propaganda do Banco do Brasil - Foto: Reprodução

O presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, acatou um pedido do presidente Jair Bolsonaro, demitiu um diretor do banco e mandou retirar do ar uma campanha publicitária dirigida ao público jovem com atores que representavam a diversidade racial e sexual.

No ar desde o início de abril, a propaganda foi suspensa no último dia 14 depois que o presidente assistiu ao filme. Participaram atores jovens, negros, tatuados e uma transexual.

Leia também:
Bolsonaro diz que Câmara é soberana para alterar Previdência
Bolsonaro almoça em bandejão do Planalto e leva equipe de imagem
Dólar fecha a R$ 3,99, maior valor desde período pré-eleitoral

Bolsonaro ligou para Novaes solicitando não somente a retirada da campanha do ar como a demissão do diretor de marketing do Banco do Brasil, Delano Valentim.

O banco confirmou a ligação do presidente para Novaes e que o executivo do banco atendeu aos pedidos de Bolsonaro. O caso foi divulgado nesta quinta (25) pelo jornal O Globo.

Oficialmente, Novaes disse que foi "uma decisão de consenso".

Pessoas que acompanharam as discussões, no entanto, afirmam que o presidente do Banco do Brasil não tinha visto a campanha até a ligação de Bolsonaro.

Valetim entrou em férias logo depois que o vídeo foi retirado do ar.

Desde que Novaes assumiu o comando do Banco do Brasil, delegou às suas equipes de marketing e de tecnologia um plano para atrair jovens com uma linguagem mais moderna e com serviços via internet capazes de competir com as fintechs, hoje uma ameaça concreta aos maiores bancos e que têm entre os jovens seus maiores adeptos.

Este é o segundo episódio de ingerências do Palácio do Planalto no Banco do Brasil. Logo que assumiu o posto, Novaes nomeou como um de seus assessores pessoais Antônio Rossell Mourão, filho do vice-presidente da República, general Hamilton Mourão. Rossell Mourão era funcionário do banco há duas décadas, metade na área de agronegócio. Com a promoção, triplicou o salário para cerca de R$ 37 mil.

Novaes só conheceu o filho de Mourão durante a campanha.

Procurada, a assessoria do presidente Bolsonaro não retornou até a conclusão dessa reportagem.



Veja também

Ziulkoski se eterniza no comando da CNM. Confira como foi
REELEIÇÃO

Ziulkoski se eterniza no comando da CNM. Confira como foi

'Contribuição' retoma financiamento eleitoral ilegal; confira a coluna deste sábado (2)
Claudio Humberto

'Contribuição' retoma financiamento eleitoral ilegal; confira a coluna deste sábado (2)