Presidente do Conselho de Ética defende emenda de anistia a caixa 2

Integrantes dos principais partidos da Câmara discutiram nesta terça a forma como a anistia pode ser aprovada

Marina SIlva (Rede) critica agenda ambiental do Governo Bolsonaro. Marina SIlva (Rede) critica agenda ambiental do Governo Bolsonaro.  - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

Pela primeira vez um deputado federal tornou pública a disposição de assumir a autoria de uma emenda para anistiar os crimes de caixa dois eleitoral cometidos até agora, o que beneficiaria os políticos alvos da Lava Jato.

Integrante da comissão especial que debate o pacote anticorrupção do Ministério Público, José Carlos Araújo (PR-BA) afirmou à reportagem ter sido procurado por líderes partidários e colegas da Câmara para assumir a missão.

"Me perguntaram se eu assinaria e eu disse que topava", afirmou o deputado, que também é presidente do Conselho de Ética da Casa.

Questionado se considerava a tarefa uma "bomba", Araújo negou. Disse que a lei permite a prática até agora e que, em sua visão, as punições só podem ocorrer daqui pra frente.

Ele também afirmou ser favorável a que magistrados e integrantes do Ministério Público respondam por crime de responsabilidade. Esse ponto havia sido incluído no parecer do relator do pacote, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), mas acabou sendo retirado após pedido do Ministério Público.

Integrantes dos principais partidos da Câmara discutiram nesta terça a forma como a anistia pode ser aprovada. Há duas possibilidades: a apresentação de uma emenda ainda na comissão especial que discute o tema ou diretamente no plenário da Casa.

Impasse

Sob pressão, a comissão deve adiar para esta quarta-feira (23) a votação do relatório de Onyx.

O próprio relator deixou a sessão pouco após a abertura, às 15h, pedindo uma hora para concluir as alterações solicitadas pelas bancadas partidárias.

Às 20h40, porém, ainda não havia retornado à reunião do colegiado.

A reportagem apurou que Onyx foi até a residência oficial do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), no Lago Sul de Brasília, onde também estavam líderes de outros partidos, como o PT e o PSDB.

Há uma forte tendência de partidos de derrotar o relatório e aprovar um texto paralelo que inclua justamente os dois pontos citados pelo presidente do Conselho de Ética -o endurecimento das leis para punir magistrados e integrantes do Ministério Público e a anistia aos alvos da Lava Jato.

Hoje não há na legislação uma tipificação específica para o crime de caixa dois, sendo enquadrado, por analogia, em delitos como falsidade ideológica. O argumento do grupo pró-anistia é o de que a lei penal não pode retroagir para prejudicar o réu e que a prática então não pode ser enquadrada em outros crimes já existentes.

O principal temor do mundo político diz respeito à delação premiada da empreiteira Odebrecht, a maior do país e tradicional financiadora de campanhas eleitorais. A expectativa é a de que mais de cem políticos sejam incriminados.

Veja também

Em Casa Amarela, João manda recado e diz que não se resolve problemas da cidade no grito
Eleições 2020

Em Casa Amarela, João manda recado e diz que não se resolve problemas da cidade no grito

Após votação na Câmara de Vereadores, Marília Arraes recebe apoio de rodoviários
Eleições 2020

Após votação na Câmara de Vereadores, Marília Arraes recebe apoio de rodoviários