Presidente do Instituto Lula diz que ex-presidente pensava em comprar sítio em Atibaia

Nesta ação penal, o Ministério Público Federal acusa Lula de ser o verdadeiro dono do sítio e de ter se beneficiado em mais de R$ 1 milhão em benfeitorias no imóvel

Paulo Okamotto e o ex-presidente Lula Paulo Okamotto e o ex-presidente Lula  - Foto: Roosewelt Pinheiro/ABr

O presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, afirmou na manhã desta segunda (7) que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pensava em comprar o sítio em Atibaia (SP), objeto de uma das ações penais em que o petista é réu. Questionado pela advogada do empresário Fernando Bittar, dono oficial do sítio, Okamotto confirmou que o tema foi tratado em um almoço, ao qual não esteve presente.

"O presidente Lula, já há algum tempo, ele achava que precisava comprar o sítio como um presente para a dona Marisa. Ele tinha um pouco de dúvida, mas ele tinha essa intenção", afirmou. Okamotto foi arrolado como testemunha de defesa de Bittar.

Nesta ação penal, o Ministério Público Federal acusa Lula de ser o verdadeiro dono do sítio e de ter se beneficiado em mais de R$ 1 milhão em benfeitorias no imóvel, frequentado pelo petista e seus familiares. As reformas teriam sido pagas pelas empreiteiras OAS e Odebrecht. Okamotto também disse que a informação que tinha era de que o sítio pertencia a Fernando Bittar. Ele afirmou que frequentou o imóvel algumas vezes e que o empresário sempre esteve presente.

Leia também
Delatores dizem desconhecer obras em sítio em Atibaia
Moro aceita nova denúncia contra Lula sobre caso do sítio de Atibaia
Lava Jato: MPF apresenta nova denúncia contra Lula envolvendo o sítio de Atibaia


Okamotto relatou, ainda, que ao final de 2010 o ex-ministro Gilberto Carvalho disse que ele teria que providenciar a retirada do acervo presidencial. "Fui informado de que uma parte do acervo seria levada para o sítio do Fernando."As audiências do processo foram retomadas depois que o ministro Dias Toffoli, do STF (Supremo Tribunal Federal), negou um pedido da defesa de Lula para retirar a ação do juiz Sergio Moro.

No dia 24 de abril, a Segunda Turma decidiu enviar relatos de delatores da Odebrecht sobre Lula para a Justiça Federal em São Paulo. Eles acolheram um recurso da defesa, que argumentou que os episódios narrados não tinham relação com a Petrobras e que, assim, não deveriam ser julgados no Paraná.

Veja também

Acusado de rifar Temer, Pacheco busca sair da sombra de Alcolumbre
Senado

Acusado de rifar Temer, Pacheco busca sair da sombra de Alcolumbre

Tebet modulou postura independente e combativa para romper resistências
Senado

Tebet modulou postura independente e combativa para romper resistências