Presidente interino do PSDB desafia dissidentes a tirá-lo do comando

"Eles que vão ao Aécio e digam: 'Aécio, tira o homem que ele não nos representa.' E provem que são majoritários", disse Tasso Jereissati

Jereissati está no centro do fogo-cruzado do partido e virou alvo de críticas dos correligionáriosJereissati está no centro do fogo-cruzado do partido e virou alvo de críticas dos correligionários - Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

O presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), mandou um recado nesta terça-feira (22) à ala do partido que defende sua saída do cargo. "Eles que vão ao Aécio e digam: 'Aécio, tira o homem que ele não nos representa.' E provem que são majoritários", disse o tucano. Tasso se refere a declarações feitas por deputados do PSDB nos últimos dias, pedindo sua saída da presidência da sigla.

A divisão interna do partido se intensificou na semana passada, após a exibição de um programa da agremiação na TV que fala em "presidencialismo de cooptação". Ainda no vídeo, com duração de dez minutos, a sigla diz que "errou" ao ter cedido ao fisiologismo. A peça foi idealizada por Tasso e conta com apoio da ala paulista do PSDB, como do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Leia também:
Alckmin defende que Tasso permaneça no comando do PSDB
[Vídeo] Bruno Araújo: "O programa do PSDB não me representa"


Os tucanos mais próximos a Aécio Neves (MG) passaram a defender novamente que o senador mineiro reassuma a presidência do partido, da qual se licenciou em maio, após ter sido atingido pelo escândalo da JBS.

Na noite da última segunda-feira, deputados se reuniram na casa do deputado Giusepe Vecchi (GO) para discutir a situação do partido. A intenção é redigir uma carta pedindo a saída de Tasso. O senador, contudo, nega ter recebido qualquer recado. "Nunca me falaram nada. Espero que venham falar comigo alguma coisa. Se estão falando por trás, venham falar pela frente. (Não recebi nada). Nem nota, nem bilhete, nem cartão postal. Nem telefonema, nem WhatsApp", disse.

Defensor de que os quatro ministros da legenda deixem os cargos, Tasso afirmou que estar no governo do presidente Michel Temer é "detalhe". "Nós estamos 100% votando com os projetos, isso que é importante. Apoiar os projetos, Previdência, tributária, política, não depende de ter cargo no governo. Tendo ou não tendo, não muda um milímetro do nosso voto", afirmou.

Indagado sobre se ter ministros tucanos como Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo) negociando cargos não prejudica a imagem do partido, Tasso disse que se ele estiver fazendo isso está "errado".

Ele negou ainda que haja qualquer animosidade com o governador de Goiás, Marconi Perillo, um dos cotados para assumir a presidência do PSDB. "Ele (Perillo) me telefonou hoje dizendo que não tem nada a ver com isso, não concorda com isso de maneira nenhuma. Não concorda com qualquer movimento e me apoia".

Defesa
O governador Geraldo Alckmin saiu em defesa da permanência de Tasso Jereissati no comando do partido até o final do ano. "O Tasso já assumiu a presidência do partido e vai até dezembro cumprir um papel importantíssimo", disse.

Veja também

Prefeito do Recife, João Campos, testa positivo para Covid-19
Coronavírus

Prefeito do Recife, João Campos, testa positivo para Covid-19

Tribunal abre brecha para reduzir pena tricentenária de Sérgio Cabral
Política

Tribunal abre brecha para reduzir pena tricentenária de Sérgio Cabral