A-A+

Presidente se diz decidido a transferir Embaixada do Brasil em Israel

Proposta é mudar a representação de Tel Aviv para Jerusalém

O presidente Jair Bolsonaro e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, durante visita ao Muro das Lamentações na Cidade Velha de JerusalémO presidente Jair Bolsonaro e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, durante visita ao Muro das Lamentações na Cidade Velha de Jerusalém - Foto: Clauber Cleber Caetano/PR

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (8) que mantém sua determinação de transferir a Embaixada do Brasil de Tel Aviv, em Israel, para Jerusalém. Porém, não disse quando definirá a mudança. Segundo ele, quer evitar confrontos e choques. De acordo com o presidente, as resistências vêm, sobretudo, dos palestinos e iranianos.

“Não mudei de ideia, não”, disse o presidente durante entrevista à TV Jovem Pan. “Não queremos confrontar ninguém.”

Na viagem a Israel, encerrada na semana passada, Bolsonaro anunciou a instalação de um escritório de negócios em Jerusalém, destinado aos assuntos de ciências, tecnologia e inovação, além de comércio e economia.

Leia também:
Carlos me pôs na Presidência e deveria ser ministro, diz Bolsonaro sobre filho
Bolsonaro sanciona lei do novo Cadastro Positivo 

Venezuela

Bolsonaro disse que, em caso de intervenção militar externa na Venezuela, irá consultar as áreas devidas para tomar uma decisão. “Se houver uma invasão lá, o que eu vou fazer? Vou ouvir o Parlamento e o Conselho de Defesa Nacional.”

Para ele, o caminho para pressionar o governo de Nicolás Maduro é o embargo econômico. “Não podemos deixar aquilo se transformar em uma nova Cuba ou Coreia do Norte.”

A crise na Venezuela, segundo o presidente, envolve solução militar. Para ele, as Forças Armadas garantem a sustentabilidade de Maduro no poder, pois há cerca de 2 mil generais no país que o apoiam. “Quem mantém o Maduro em pé é o Exército”, disse.

Bolsonaro reiterou que os Estados Unidos estão na "vanguarda” em relação às medidas que devem ser adotadas na Venezuela. Ele lembrou que, durante seu encontro com o presidente norte-americano, Donald Trump, foi dito que “todas as possibilidades estão sobre a mesa”.

Veja também

Aras toma posse para novo mandato e diz que caneta do PGR 'não será instrumento de peleja política'
PGR

Aras toma posse para novo mandato e diz que caneta do PGR 'não será instrumento de peleja política'

Diretor da Precisa diz não ter participado de negociação da Covaxin
CPI da Covid

Diretor da Precisa diz não ter participado de negociação da Covaxin