Presidentes dos Três Poderes participam de evento no Sírio-Libanês

Cerimônia comemorou os 10 anos do Centro de Cardiologia do Hospital Sírio-Libanês, na capital paulista

Cerimônia comemorou os 10 anos do HospitalCerimônia comemorou os 10 anos do Hospital - Foto: Cesar Itibere / PR

Os presidentes dos Três Poderes da República participaram nesta sexta (21) de rápida cerimônia para comemorar os 10 anos do Centro de Cardiologia do Hospital Sírio-Libanês, na capital paulista. Além do presidente da República, Michel Temer, participaram da solenidade o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.

Durante sua breve fala no evento, o presidente Michel Temer disse que dá seu aval para o pedido do médico cardiologista Roberto Kalil, diretor geral do Centro de Cardiologia do Sírio-Libanês, para que seja criada uma faculdade de medicina do hospital. “Quero dar, por enquanto, este aval. Seria extraordinário levar o Sírio-Libanês para aqueles que querem formar-se na medicina”, disse Temer.

“Meu coração já esteve fisicamente à disposição desse centro de cardiologia. Já me servi desses extraordinários serviços do centro de cardiologia”, lembrou o presidente, que disse que esse atendimento melhorou sua qualidade de vida.

Leia também:
[Giro de manchetes] Confira os destaques nos jornais, nesta sexta
Denunciado, Temer deve enfrentar mais 5 investigações ao deixar o Planalto
Sem superar cláusula, PHS será incorporado pelo Podemos

Governador

O governador de São Paulo, Márcio França, disse após a solenidade que, após o seu mandato, pretende voltar a surfar, advogar e cuidar dos netos, e cumprir um papel de conciliador na política.

“O Brasil precisa de conciliações. O Brasil está precisando de muita gente ligada a conciliações. Sinto que as divergências não acabaram. Parece que as eleições ainda não acabaram", disse, acrescentando que "espero um ano de boas novidades para os dois lados, que o Brasil possa acertar em toda sua administração”.

França também comentou sobre a transferência de líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC) para presídios federais. Segundo ele, a trasnferência não depende de decisão do governo, mas da Justiça.

Veja também

Direção da PF barra promoção de delegado de caso Salles para cargo de chefia
Polícia Federal

Direção da PF barra promoção de delegado de caso Salles para cargo de chefia

'É bem mais grave', diz deputado sobre relatos de irmão por pressão do governo pela Covaxin
Covaxin

'É bem mais grave', diz deputado sobre relatos de irmão por pressão do governo pela Covaxin