Pressão por declarar Hizbullah grupo terrorista opõe militares e núcleo olavista

O governo brasileiro também tem sido pressionado a declarar como grupo terrorista a organização islâmica fundamentalista Irmandade Muçulmana

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Carolina Antunes/PR

A possibilidade de o Brasil declarar como grupo terrorista o Hizbullah opõe mais mais vez a ala olavista do governo e os militares.

Respondendo a uma pressão dos Estados Unidos, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o chanceler Ernesto Araújo trabalham para que a organização seja incluída na lista do governo brasileiro em que hoje estão a Al-Qaeda e o Taleban.

No entanto, há forte resistência no Ministério da Defesa, na Abin (Agência Brasileira de Inteligência) e na Polícia Federal.

Leia também:
Ato contra projeto reúne Deltan, juiz da Lava Jato e 'mulheres com Bolsonaro'
Governo deve suspender edital com filmes LGBT criticados por Bolsonaro 

A milícia libanesa Hizbullah (partido de Deus, em árabe) surgiu em 1985 como um movimento de resistência a Israel, que àquela época ocupava o sul do Líbano.

A facção segue o ramo xiita do islã e se alinha ao Irã e ao regime da Síria. Há inúmeros atentados atribuídos ao Hizbullah, incluindo o ataque na Argentina em 1994, razão pela qual EUA, Israel e Argentina, mais recentemente, descrevem a organização como terrorista.

O filho do presidente Jair Bolsonaro defendeu publicamente a inclusão do Hizbullah na lista de grupos terroristas reconhecidos pelo Brasil nesta segunda-feira (19).

"Essa questão do Hizbullah envergonha o Brasil no exterior. Temos que mudar essa realidade o quanto antes", escreveu no Twitter o parlamentar, que também é presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados.

"Desconheço argumentos plausíveis que justifiquem considerar o grupo terrorista Hizbullah como partido político."

Eduardo -que deve ser indicado por seu pai ao cargo de embaixador do Brasil em Washington- publicou a mensagem nas redes sociais ao comentar a decisão do Paraguai de declarar o Hizbullah uma organização terrorista, seguindo os passos da Argentina, que fez o mesmo há cerca de um mês.

Militares e agentes de inteligência brasileiros se opõem e afirmam acreditar que o Brasil deve evitar tomar lado no intrincado tabuleiro geopolítico do Oriente Médio.

Nas palavras de um militar, se ceder à pressão dos EUA nesse tema, o Brasil criará inimigos que hoje não existem no país e sofrerá uma redução na sua capacidade de conduzir sua política externa de forma independente de Washington.

Assim como ocorreu na promessa de campanha de Bolsonaro de transferir a embaixada brasileira em Israel para Jerusalém, os militares temem que o Brasil vire alvo de atividades terroristas.

O governo brasileiro também tem sido pressionado a declarar como grupo terrorista a organização islâmica fundamentalista Irmandade Muçulmana.

Caso concretize o ato, o Brasil deve abrir uma nova frente de atrito com o Irã, aliado do Hizbullah e importante financiador do grupo.

As relações entre os dois países já foram impactadas nos últimos meses pela decisão da Petrobras de não vender petróleo a dois navios iranianos que ficaram quase 50 dias parados no porto de Paranaguá (PR).

A estatal brasileira temia ser alvo de sanções dos EUA, e a situação só foi resolvida após uma decisão do presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, que determinou à empresa que o combustível fosse fornecido às embarcações.

Outro país que é contrário ao gesto é o Líbano, sede do Hizbullah e onde o grupo também atua como um importante partido político.

A pressão para que o Brasil declare o Hizbullah uma organização terrorista não vem apenas dos Estados Unidos. Países como Israel e Emirados Árabes Unidos -parceiros preferenciais do governo Bolsonaro na região- também têm defendido o ato em conversas com autoridades brasileiras.

Veja também

"Acho perigoso chamar críticos de detratores", diz jornalista pernambucano citado em lista polêmica
Governo Federal

"Acho perigoso chamar críticos de detratores", diz jornalista pernambucano citado em lista polêmica

Humberto elogia campanha de Marília e diz que urnas colocaram PT como oposição a João Campos
PT x PSB

Humberto elogia campanha de Marília e diz que urnas colocaram PT como oposição a João Campos