A-A+

Procuradores da Lava Jato dizem que mensagens no Telegram foram excluídas

Os indícios de colaboração, revelados pelo site The Intercept Brasil, do à época juiz Moro com a acusação provocaram uma crise de credibilidade na Operação Lava Jato

Deltan Dallagnol, no Fórum de Combate a CorrupçãoDeltan Dallagnol, no Fórum de Combate a Corrupção - Foto: Brenda Alcântara/Folha de Pernambuco

A força-tarefa da Lava Jato no Paraná divulgou uma nota nesta quarta-feira (19) afirmando que os procuradores da operação desativaram suas contas no aplicativo Telegram em seus celulares após ataques de hackers a partir de abril deste ano.

Foi nesse aplicativo que aconteceram as trocas de mensagens em grupos de procuradores e do coordenador da força-tarefa, Deltan Dallagnol, com o ex-juiz Sergio Moro, hoje ministro da Justiça. Os indícios de colaboração, revelados pelo site The Intercept Brasil, do à época juiz com a acusação provocaram uma crise de credibilidade na Operação Lava Jato.

Segundo o Ministério Público Federal no Paraná, desde abril os integrantes da força-tarefa têm constatado ataques às suas contas no Telegram, "inclusive com sequestro de identidade virtual".

"Tendo em vista a continuidade, nos dias subsequentes, das invasões criminosas e o risco à segurança pessoal e de comprometimento de investigações em curso, os procuradores descontinuaram o uso e desativaram as contas do aplicativo Telegram nos celulares, com a exclusão do histórico de mensagens tanto no celular como na nuvem", disseram os procuradores em nota.

Leia também:
Intercept Brasil publica sexta parte da reportagem 'As mensagens secretas da Lava Jato'
Em entrevista a jornal, Moro nega conluio com Lava Jato e diz que não deixará governo
Moro espera que reportagens de site não afetem projeto anticrime
'Não tenho apego ao cargo. Se houver irregularidade, saio', diz Moro no Senado

Ainda de acordo com o MPF, os procuradores, antes que a invasão dos aparelhos tivesse sido noticiada, avisaram a Procuradoria-Geral da República e a Polícia Federal, que orientou a troca de aparelhos e dos números de telefone funcionais.

A força-tarefa diz ter reativado as contas no Telegram para evitar "sequestros de identidade virtual", mas lembra que isso não resgata o histórico de conversas excluídas.

Após a revelação dos diálogos com o ex-juiz Moro, no último dia 9, o grupo de procuradores modificou o tom sobre as mensagens atribuídas a eles pelo The Intercept Brasil.

Inicialmente, o teor das conversas reveladas foi defendido. Depois, a força-tarefa passou a priorizar declarações sobre a eventual falsificação de mensagens. Uma das notas posteriores afirmou que "novos ataques" a celulares "confirmam a possibilidade de hacker fabricar diálogos usando perfis de autoridades".

Veja também

Protesto antiimigrantes termina com incidentes violentos no Chile
VIOLÊNCIA

Protesto antiimigrantes termina com incidentes violentos no Chile

Islândia se torna o primeiro país europeu a ter uma maioria de mulheres no Parlamento
Representatividade

Islândia se torna o primeiro país europeu a ter uma maioria de mulheres no Parlamento