Procuradoria denuncia 443 ex-deputados por 'farra das passagens', diz site

Denúncia atinge vários nomes da política, como um atual secretário do Governo Federal, prefeito e ex-governardor

O pernambucano Bruno Araújo entregou o seu cargo no ministério das CidadesO pernambucano Bruno Araújo entregou o seu cargo no ministério das Cidades - Foto: George Gianni/Divulgação

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou na última sexta-feira (28) 443 ex-deputados federais que tiveram o nome envolvido no escândalo conhecido como a "farra das passagens aéreas", informou na noite esta quarta-feira (2) o site Congresso em Foco.

A reportagem não conseguiu na noite desta quarta contato com a Procuradoria da República da 1ª Região para confirmar a informação.

Segundo o site, a iniciativa da Procuradoria foi tomada sete anos após ser revelado que parlamentares usavam verba de passagem para custear passagens particulares deles, de parentes e outras pessoas.

A denúncia atinge o hoje secretário do Programa de Parcerias de Investimentos do governo, Moreira Franco (PMDB), o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), e o ex-ministro Ciro Gomes (PDT).

O crime atribuído, ainda de acordo com o site, é o de peculato. Eles só se tornarão réus, entretanto, caso a Justiça acolha a denúncia.

Na época, o argumento dos congressistas foi o de que não havia, entre as normas que regulavam o uso da cota, uma vedação explícita à prática.

Ciro disse à reportagem que a acusação "é uma mentira, cabalmente esclarecida à época", quando a TAM disse que errou na cobrança. Moreira negou uso indevido de verba. ACM Neto não respondeu.

Veja também

ONG Repórteres sem Fronteiras denuncia 'censura indireta' de Bolsonaro à imprensa
Denúncia

ONG Repórteres sem Fronteiras denuncia 'censura indireta' de Bolsonaro à imprensa

Governo usa gráfico genérico para dizer que vermífugo tem eficácia contra Covid
Coronavírus

Governo usa gráfico genérico para dizer que vermífugo tem eficácia contra Covid