Projeto exige laudo psicológico para soltura de agressor de mulheres

Proposta terminativa deve seguir para Câmara dos Deputados

O relator da proposta, senador Otto AlencarO relator da proposta, senador Otto Alencar - Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado Fonte: Agên

A revogação da prisão preventiva de agressor de mulheres deverá, obrigatoriamente, ter um laudo psicológico. É o que prevê o PLS 423/2018, da senadora Kátia Abreu, aprovado em caráter terminativo nesta quarta-feira (9) pela Comissão e Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. Se não houver recurso para apreciação do plenário da Casa, a proposta segue para análise da Câmara dos Deputados.

O texto altera a Lei Maria da Penha (Lei 11.340, de 2006) para também exigir o laudo para a liberação do agressor preso em flagrante, independentemente de o juiz ter fixado o pagamento de fiança. A avaliação psicológica deve estimar a possibilidade de reincidência do acusado na prática de agressão contra mulheres.

Leia também:
Mulheres vítimas de violência têm prioridade na matrícula dos filhos
Bolsonaro sanciona projetos que ampliam proteção à mulher em situações de violência
Governo lança programa Salve Uma Mulher 

O relator da proposta, senador Otto Alencar (PSD-BA), ao defender a medida, disse que a revogação da prisão não deve funcionar como um salvo-conduto para a prática de novos crimes. “A agressão contra a mulher é um absurdo, e a covardia sempre vem com recidiva, e o agressor volta a incidir no erro. Para inibir esse ato covarde, nada melhor que fazer o laudo para verificar o grau de probabilidade de o agressor cometer esses atos que devem ser punidos com o rigor da lei”, disse Otto.

Veja também

Voto é opcional para eleitor com mais de 70 anos
eleições

Voto é opcional para eleitor com mais de 70 anos

Guilherme Boulos é diagnosticado com a Covid-19
Eleição 2020

Guilherme Boulos é diagnosticado com a Covid-19