Próximo presidente do TSE, Barroso dá prazo até junho para definir eleição e se diz contra adiá-la p

Para o ministro, o seria adiar 'por um prazo máximo de dois meses' as eleições deste ano

Luís Roberto Barroso, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF)Luís Roberto Barroso, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) - Foto: Nelson Jr./SCO/STF

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) deve decidir em junho se adia ou não as eleições municipais deste ano. A afirmação, feita em entrevista ao UOL, foi do ministro do STF, Luís Roberto Barroso, que em maio assume a presidência do TSE.

O adiamento do pleito, marcado para outubro, vem sendo cogitado devido à pandemia do novo coronavírus. "A verdade é que nós estamos monitorando a evolução da doença. Não gostaria de adiar as eleições, acho que ainda não é preciso decidir isso neste momento, mas acho que não podemos fechar os olhos a este risco. Imaginaria junho como sendo o momento em que nós temos que ter uma definição. O que eu sou radicalmente contra é o cancelamento das eleições e fazer todas coincidirem em 2022", disse Barroso.

Leia também:
Rosa Weber diz que debate sobre adiamento de eleições é precoce
Ministro da Saúde defende adiar eleições municipais
Barroso descarta suspender eleições por causa de coronavírus 

Para o ministro, o seria adiar "por um prazo máximo de dois meses" as eleições deste ano. Unir as eleições municipais e nacionais violaria, para ele, a "vontade do eleitor" que votou para um mandato de quatro anos dos governantes. Ele ainda avalia que o excesso de candidatos criaria "um inferno gerencial".

"Nós estamos estimando 750 mil candidatos entre prefeitos e vereadores. Se você juntar isso a milhares de candidatos nas eleições nacionais vai criar um inferno gerencial nestas eleições", afirmou.

Veja também

Criticado por postura na pandemia, Bolsonaro faz passeio de motocicleta em Brasília
Planalto

Criticado por postura na pandemia, Bolsonaro faz passeio de motocicleta em Brasília

Após esquerda, grupos à direita promovem carreatas contra Bolsonaro
Impeachment

Após esquerda, grupos à direita promovem carreatas contra Bolsonaro