PSL deixa governo Witzel após pedido de Flávio Bolsonaro

Em nota, a bancada disse que discorda de posicionamentos políticos do governador Witzel. 'Os 12 deputados do partido reiteram o compromisso com o Estado do Rio de Janeiro'

Governador do Rio de Janeiro, Wilson WitzelGovernador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

A bancada do PSL na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) atendeu a um pedido do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), que é presidente estadual do partido, e deixou a base do governo Wilson Witzel (PSC) na Assembleia.

Em nota, a bancada disse que discorda de posicionamentos políticos do governador Witzel. "Os 12 deputados do partido reiteram o compromisso com o Estado do Rio de Janeiro", diz o comunicado.

Na semana passada, Witzel criticou a forma como o presidente Jair Bolsonaro (PSL) lida com o Congresso.

Leia também:
Deputado do PSL oferece R$ 10 mil a quem matar suspeito de assassinato no ES
Flávio Bolsonaro vai à China e deve visitar Huawuei


Questionado diretamente sobre a possível falta de liderança do Executivo, o ex-juiz, que se elegeu com o apoio da família Bolsonaro, afirmou que "o governo precisa ter uma articulação melhor".

Antes, Witzel já havia acenado que pretendia concorrer à Presidência da República em 2022 e acabou ganhando um "gelo" dos deputados do PSL do Rio.

O governador do Rio também chegou a dizer que "Bolsonaro anima as redes, e o Brasil não sai do lugar" e fez reparos aos ataques a Felipe Santa Cruz, presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). Em julho, Bolsonaro afirmou que poderia explicar a Santa Cruz como o pai dele desapareceu durante a ditadura militar (1964-1985).

Veja também

Presidente do PT-PE diz que partido fará reflexão sobre eleição e entrega de cargos no Governo do Es
Eleições 2020

Presidente do PT-PE diz que partido fará reflexão sobre eleição e entrega de cargos no Governo do Es

Prefeito eleito do Recife, João Campos reafirma que não terá indicação de petistas na sua gestão
Eleições 2020

Prefeito eleito do Recife, João Campos reafirma que não terá indicação de petistas na sua gestão