PSOL recorre ao Supremo para barrar MP do Ensino Médio

Na ação, o partido alega que a medida é inconstitucional e que não há urgência legislativa que justifique o tratamento do assunto por meio de uma MP

Filme "Sing"Filme "Sing" - Foto: Divulgação

   O PSOL recorreu, nesta quarta-feira (28), ao Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender a medida provisória (MP) que reestrutura o ensino médio, editada na semana passada.

Na ação, o partido alega que a medida é inconstitucional e que não há urgência legislativa que justifique o tratamento do assunto por meio de uma MP. O caso será relatado pelo ministro Edson Fachin.

Para o partido, as mudanças desrespeitam o acesso à educação e dificulta a redução das desigualdades, "promovendo verdadeiro retrocesso social".

"Dispor por medida provisória sobre tema tão complexo, que claramente não reclama urgência, é temerário e pouco democrático, por impor prazo extremamente exíguo para debate que já está ocorrendo nos meios educacionais e, sobretudo, no Congresso Nacional", argumentou o partido.

Veja também

TSE: extratos bancários de partidos serão publicados na internet
eleições

TSE: extratos bancários de partidos serão publicados na internet

Moraes é sorteado relator de inquérito que investiga acusações de Moro contra Bolsonaro
justiça

Moraes é relator de inquérito de Moro contra Bolsonaro