PT 'colhe o que planta', diz Alckmin sobre ataque a tiros a caravana de Lula

Alckmin, que rivalizará com Lula ou outro candidato apoiado pelo PT na eleição presidencial, acusou a legenda rival de "sempre partir para dividir o Brasil, nós contra eles"

Geraldo Alckmin Geraldo Alckmin  - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Para o governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB), o ataque a tiros que atingiu dois ônibus da caravana de Lula (PT) no Paraná, que levavam jornalistas a trabalho, foi um efeito colateral produzido pelos próprios petistas.

"Acho que eles estão colhendo o que plantaram", disse o tucano nesta terça-feira (27), antes de assistir à pré-estreia de "Nada a Perder", cinebiografia do bispo Edir Macedo.

Leia também:
Descartando filiação de Huck, PPS aprova posição de apoio a Alckmin
Lula sugere que manifestantes guardem rojões para sua posse


Alckmin, que rivalizará com Lula ou outro candidato apoiado pelo PT na eleição presidencial, acusou a legenda rival de "sempre partir para dividir o Brasil, nós contra eles". Agora, disse, "acabaram sendo vítimas" dessa polarização.

O governador acrescentou que não defende a violência, e sim "o debate de ideias".
Também no evento que prestigiou o líder da Igreja Universal, o prefeito paulistano João Doria (PSDB) seguiu na mesma toada do colega de tucanato.

"O PT sempre utilizou da violência, agora sofreu da própria violência", disse Doria, que deixará o cargo para disputar a sucessão de Alckmin. "Mas não recomendo ovos, e sim prisão para ele", afirmou, em referência à ovada que a caravana lulista levou.

Tanto Alckmin quanto Doria disseram que, por ora, se absteriam de comentar a polêmica "O Mecanismo", série de José Padilha que fez com que espectadores cancelassem a assinatura da Netflix, furiosos com o que consideram ser uma visão deturpada sobre a Operação Lava Jato -como terem colocado na boca do personagem que representa Lula na ficção uma frase dita na vida real pelo senador Romero Jucá (MDB), "estancar a sangria", ao defender justamente a derrubada do governo da petista Dilma Rousseff.

Os tucanos disseram que ainda não tinham conseguido ver nenhum capítulo, embora tenham demonstrado interesse. Esposa do prefeito, a artista plástica Bia Doria levantou a mão: ela, sim, assistiu à série. Balançou a cabeça e disse, antes de sair para ver o filme sobre Edir Macedo: "É uma pena o que está acontecendo com a gente".

Veja também

Marco Aurélio envia a plenário recurso sobre depoimento de Bolsonaro
Justiça

Marco Aurélio envia a plenário recurso sobre depoimento de Bolsonaro

Em reunião do TSE, presidentes de partidos criticam cota para negros já em 2020
Eleições 2020

Em reunião do TSE, presidentes de partidos criticam cota para negros já em 2020