Política

PT decide apoiar nome da oposição contra Rodrigo Maia

Maia é o favorito e tem o apoio de ao menos dez legendas

Rodrigo MaiaRodrigo Maia - Foto: Marcelo camargoabr

Após forte reação de sua base contra a possibilidade de apoio a um candidato da base de Michel Temer, a bancada do PT anunciou nesta terça-feira (31) adesão à candidatura do oposicionista André Figueiredo (PDT-CE) à presidência da Câmara.
Embora participem da principal legenda de oposição a Temer, petistas chegaram a avaliar apoiar a reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) com o objetivo de obter cargos na administração da Casa. Venceu, entretanto, a tese de que o partido de Dilma Rousseff não poderia endossar candidatos que integraram o movimento de destituição da petista.A eleição que definirá o comando da Câmara para os próximos dois anos ocorrerá na quinta-feira (2). A votação é secreta.

Maia é o favorito e tem o apoio de ao menos dez legendas. Os demais concorrentes são Jovair Arantes (PTB-GO), Rogério Rosso (PSD-DF), Júlio Delgado (PSB-MG) -os três da base de Temer- e Figueiredo, o único até agora da oposição. Essa lista pode aumentar até as 23h desta quarta (1º), prazo final para o registro das candidaturas.
Apesar do favoritismo de Maia, os adversários ingressaram com questionamentos no Supremo Tribunal Federal com base no argumento de que a Constituição e o Regimento Interno da Câmara vedam a reeleição do presidente da Casa em uma mesma legislatura. Maia alega que a regra não se aplica a quem se elegeu para um mandato temporário, como o caso dele, que assumiu em julho após a renúncia de Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Os questionamentos foram protocolados também nesta terça na Mesa da Câmara por deputados correligionários de Jovair. Eles devem ser analisados no dia da eleição por Waldir Maranhão (PP-MA), primeiro vice-presidente da Casa, aliado de Maia.
Após o impeachment de Dilma, o presidente da Câmara é o primeiro na linha sucessória do comando do país. Entre outras atribuições, cabe a ele também definir a pauta de votações do plenário da Casa.

SEGUNDO ESCALÃO

Também na quinta serão eleitos os outros seis deputados que vão integrar a chefia administrativa da instituição, a chamada Mesa da Câmara. Cada um deles tem atribuições que vão da administração dos apartamentos funcionais dos deputados à análise dos pedidos de reembolso médico dos parlamentares.

O principal cargo é o de primeiro-secretário, espécie de "prefeito" da Câmara, cadeira que deverá ficar com o PR. A Casa tem um orçamento anual de mais de R$ 5 bilhões (2016), o equivalente praticamente ao do Estado do Acre neste ano.
Há várias disputas internas nos partidos para a ocupação dos cargos na Mesa da Câmara.

O PMDB deve ficar com a vice-presidência. Já o PSDB só vai se decidir nesta quarta. A disputa no partido é para ver que ocupará a segunda vice-presidência.
A cúpula do partido defende o nome Carlos Sampaio (SP). No entanto, os deputados do Norte, Nordeste e Centro-Oeste não concordam com a hegemonia do Sudeste. Hoje, a presidência do partido é do mineiro Aécio Neves e a liderança da legenda na Câmara é do paulista Ricardo Tripoli.

O deputado Izalci Lucas (DF) é um dos que quer que haja eleição interna para decidir quem ocupará lugar na Mesa. "Quero reafirmar minha candidatura ao cargo do PSDB para a Mesa Diretora da Câmara. O nosso partido sempre defendeu a alternância como instrumento de democracia interna para valorizar todos", disse Izalci em carta entregue à liderança do partido. A deputada Mariana Carvalho (RO) também tem interesse em ocupar a vaga na Mesa.

Veja também

Bolsonaro aciona STF contra Moraes por abuso de autoridade
Inquérito das Fake News

Bolsonaro aciona STF contra Moraes por abuso de autoridade

Deputado faz tiro ao alvo em sessão remota: "Advertência ao comunismo"
Mato Grosso

Deputado dispara arma em sessão: "Advertência ao comunismo"