PT torce por decisão sobre Lula até abril

Enquanto lida com a contínua erosão de sua imagem pública pela Operação Lava Jato, Lula segue costurando a estratégia para 2018

LulaLula - Foto: Ricardo Stuckert/ Instituto Lula

onsiderando a batalha jurídica para evitar a inelegibilidade de Luiz Inácio Lula da Silva virtualmente perdida, o PT agora torce para que a decisão sobre o caso ocorra no máximo até abril.

Mesmo com a significativa piora da situação política de Lula após o depoimento arrasador de Antonio Palocci à Justiça, a lógica petista é a de insistir publicamente na candidatura do ex-presidente ao Planalto em 2018. Enquanto isso, o partido prepara o caminho para um outro nome -hoje, o mais cotado é Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo.

Leia também:
Lula diz estar 'decepcionado' com Palocci, mas que manterá agenda

Lula foi condenado pelo juiz Sergio Moro na primeira instância da Justiça Federal por corrupção e lavagem de dinheiro, no processo referente ao tríplex do Guarujá.
O caso será agora julgado em segunda instância pelo TRF (Tribunal Regional Federal) de Porto Alegre e, se confirmada a sentença, Lula se torna ficha suja por ter sido condenado por colegiado -e, se a pena não for alterada, poderá ir para a cadeia.

Segundo advogados do petista, o andamento processual até aqui permite prever um julgamento entre meados de março e começo de abril. O "timing", para o PT, seria suficiente para estruturar a campanha de Haddad -ou, como sugerem alguns petistas, de outro moderado mais experiente e não paulista, como Jaques Wagner (BA).

O novo candidato seria ungido por um Lula condenado, amparado no discurso de que o líder é vítima de perseguição política que ainda ressoa entre eleitores do partido.

Reservadamente, segundo a reportagem apurou, líderes petistas temem que o julgamento ocorra mais perto da convenção que irá definir a candidatura, no fim de julho.

Assim, ficaria mais difícil a nacionalização do novo nome. A meta é menos a vitória e mais a competitividade que mantenha o partido em evidência no cenário político.
Até lá, de todo modo, Lula permanecerá no palanque em campanha antecipada -segundo a legislação eleitoral, a campanha só pode começar em 16 de agosto.
O PT considera que ele será, de qualquer modo, candidato no ano que vem. Seja em pessoa ou por procuração.

Além disso, manter-se em evidência auxilia sua estratégia de defesa, já que aumenta a responsabilidade da decisão dos desembargadores.
Com 30% das intenções de voto, Lula lidera os levantamentos disponíveis. Se houver uma reviravolta jurídica, naturalmente ele será o candidato, apesar do desgaste.

Mas o PT acredita que um candidato centrista como Haddad poderia atrair parte da classe média que Lula perdeu ao longo dos anos. O raciocínio desconsidera, contudo, que esses 30% são lulistas, mas não necessariamente petistas. O ex-presidente tem grande penetração em eleitorado pobre e conservador, que pode ser atraído por candidatos de outras faixas do espectro político.

Enquanto lida com a contínua erosão de sua imagem pública pela Operação Lava Jato, Lula segue costurando a estratégia para 2018.

Novos nomes

Além de tentar atrair o pedaço à esquerda que se desprender do desmonte do PSB, o partido busca nomes chamativos em suas hostes para concorrer ao Congresso.
O PT não crê que possa manter seus 58 deputados, mas aposta numa bancada de pelo menos 40 nomes para manter influência e acesso a verbas do Fundo Partidário.

Veja também

Gilmar suspende inquérito contra desembargador que deu carteirada para não usar máscara
STF

Gilmar suspende inquérito contra desembargador que deu carteirada para não usar máscara

Governo desrespeita prazos, e Lewandowski cobra planos para Manaus e vacinação
Pandemia

Governo desrespeita prazos, e Lewandowski cobra planos para Manaus e vacinação