UCRÂNIA

Questionado sobre 'neutralidade' de Bolsonaro, Guedes diz que o Brasil votou para condenar ataques

O ministro da Economia disse que está preocupado com a inflação global e o impacto da guerra é bem mais amplo

Ministro Paulo GuedesMinistro Paulo Guedes - Foto: Reprodução/TV BRASIL

Ao ser questionado sobre a posição “neutra” do presidente Jair Bolsonaro sobre a guerra na Ucrânia, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta segunda-feira (28) que o Brasil votou duas vezes no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) para condenar a invasão.

O ministro foi entrevistado pela Bloomberg TV, em Nova Iorque, após encontros com investidores internacionais da XP Investimentos e do JP Morgan.

"O Brasil no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas votou duas vezes e votará novamente para condenar a invasão da Ucrânia. Dito isso, nós desejamos que o assunto seja resolvido de uma maneira pacífica tão cedo quanto possível", disse o ministro na entrevista em inglês.

O Brasil é membro rotativo do Conselho de Segurança e apoiou, na semana passada, uma resolução que critica a agressão russa. O encarregado de negócios da embaixada da Ucrânia no Brasil, Anatoliy Tkach, disse que o presidente Bolsonaro estaria ‘mal-informado’ sobre a guerra.

Na mesma questão, Guedes foi perguntado sobre o impacto desse conflito na economia global e na pressão inflacionária. O ministro então disse que a questão era mais mundial do que o impacto local no país.

— A Ucrânia é sobre grãos e a Rússia e sobre fertilizantes para o Brasil, mas nós estamos preocupados com a inflação global, então tem um impacto muito mais amplo porque nós estamos apenas começando a se recuperar da pandemia, então não é nada bom para o mundo — afirmou.

Veja também

Fachin vota para reconhecer que escolas devem combater discriminações
Fachin

Fachin vota para reconhecer que escolas devem combater discriminações

STF retoma julgamento sobre atendimento de pessoas trans no SUS
SUS

STF retoma julgamento sobre atendimento de pessoas trans no SUS

Newsletter