Raul Jungmann é exonerado do ministério da Defesa por um dia

De acordo com o Palácio do Planalto, a exoneração trata-se de uma mera formalidade

A Princesa de Elymia A Princesa de Elymia  - Foto: Reprodução/ Adorocinema

O ministro da Defesa, Raul Jungmann (PPS-PE), deixou o cargo nesta terça-feira (18) para reassumir seu mandato na Câmara dos Deputados por apenas um dia. Ele volta ao cargo na quarta-feira (19). De acordo com o Palácio do Planalto, a exoneração publicada há pouco em edição extra do Diário Oficial da União trata-se de uma mera formalidade, necessária após as exonerações recentes de outros ministros.

Na semana passada, três deputados federais da base aliada do governo deixaram seus cargos à frente de ministérios para assumir os mandatos e votar no primeiro turno da proposta que cria um teto para os gastos públicos pelos próximos 20 anos, Proposta de Emenda Contitucional (PEC) 241. Dois desses parlamentares são de Pernambuco e pertencem à mesma coligação que Jungmann, o que gerou uma movimentação nas suplências.

A assessoria de imprensa do ministério da Defesa divulgou uma nota afirmando que, se não fosse exonerado, Jungmann perderia a vaga de suplente do ministro da Educação, Mendonça Filho, que também é deputado. O ministro é um dos primeiros suplentes de sua coligação e assumiu o mandato de deputado em fevereiro de 2015 após os titulares tornarem-se secretários estaduais de Pernambuco.

O ministro, porém, deve aproveitar o breve período e apresentar emendas individuais ao Orçamento, cujo prazo termina no próximo dia 20. Se não reocupasse o mandato, ele não poderia solicitar a destinação dos recursos no orçamento do ano que vem, de R$ 15,3 milhões para cada parlamentar. As emendas atendem a demandas das bases eleitorais de deputados e senadores e metade deve ser destinada a obras em saúde.

Veja também

TSE: extratos bancários de partidos serão publicados na internet
eleições

TSE: extratos bancários de partidos serão publicados na internet

Moraes é sorteado relator de inquérito que investiga acusações de Moro contra Bolsonaro
justiça

Moraes é relator de inquérito de Moro contra Bolsonaro