Recondução de Maia pode nem exigir consulta

“Ele (Maia) está conduzindo a Câmara com cuidado, não criou patoto. Só em ter evitado isso, já é muito importante”

Leonardo Picciani, ministro dos EsportesLeonardo Picciani, ministro dos Esportes - Foto: Flickr

Sustentou-se até o outubro as conversas a respeito. Mas, de agora em diante, a sucessão da presidência da Câmara Federal concentra todas as atenções nas coxias do legislativo. Há cerca de duas semanas, o deputado federal Jarbas Vasconcelos foi procurado, na Casa, para emitir opinião. Disse, então, que concordava com a recondução do atual presidente, Rodrigo Maia. A defesa foi feita também, diretamente, ao mandatário. “Eu disse a ele que não havia impedimento legal, nem ético, que ele está num mandato tampão e que é melhor a gente não mexer nisso”, relata o peemedebista à coluna. Não é permitida a reeleição de quem se candidata ao mandato de dois anos. Em razão disso, estuda-se a possibilidade de Maia poder ser reconduzido. “Se a pessoa assume mandato emergencial, na minha opinião, não precisa nem consultar a CCJ”, argumenta Jarbas. Para ele, um mandato tampão não equivale a um mandato completo. “A gente está chegando à conclusão de que não é preciso nem fazer consulta. Ele pode ser candidato. Eu mesmo estou nessa jogada. Se está dando certo, por que mexer nisso?”, indaga. Enumera razões: “Ele está conduzindo a Câmara com cuidado, não criou patota. Só em ter evitado isso, já é muito importante”. O PSDB quer emplacar candidatura, ainda que Maia não seja um nome rejeitado pela sigla, e o centrão oferece obstáculos. Alguns parlamentares comparam a referida eleição a uma disputa para vice-presidente da República, uma vez que o dirigente da Câmara é o primeiro na linha sucessória. Daí, a dimensão que a articulação toma.

“Ele (Maia) está conduzindo a Câmara com cuidado, não criou patoto. Só em ter evitado isso, já é muito importante”

“Fiz muito bem”, diz Jarbas
Tachado de “pequeno” por Antônio Campos, o deputado federal Jarbas Vasconcelos não se furta a posicionar-se: “Não gravei para ele e não me arrependo. Fiz muito bem”. E emenda: “Ele gravou para Raquel Lyra. Não gravamos para ele; nem eu, nem Raul Henry. Sobrou para mim”.

Rusgas... > Henry preside o PMDB no Estado e os peemedebistas tinham Tony Gel concorrendo ao 2º turno em Caruaru. A sigla declarou apoio a Antônio Campos, em Olinda, e não digeriu bem o fato de o socialista ter gravado vídeo em favor da adversária de Tony Gel.
...mútuas > A decisão, então, de Jarbas não gravar mais para Antônio Campos foi partidária, o que deixou, na visão do socialista, “uma rusgazinha na relação”.
Panela...> Revelações de Antônio Campos à parte, foi um fato antigo, no meio de tudo, que chamou mais a atenção de membros do Palácio das Princesas: a lembrança que o irmão do ex-governador desenterrou do caso dos precatórios, do qual Eduardo fora inocentado. Ele resgatou o episódio na coletiva.
...velha > “Ninguém mais falava disso. Quem puxou o assunto agora?”, indaga um nome de trânsito livre no Campo das Princesas. “Liderei a defesa dele, mostrei a inocência, comandei defesa no Supremo e a gratidão que recebo é esta”, grifara Antônio Campos, na entrevista.

Aviso prévio > Entre aliados de Tonca, as palavras dele são lidas como um recado inicial a nomes da sigla citados em investigações. Dizem que ele mira 2018 e está só lembrando que tem munição.

LOA 1 > Passadas as eleições, o Legislativo Estadual está concentrado no orçamento. O deputado estadual Romário Dias é um dos parlamentares que já apresentou suas propostas à LOA 2017.
LOA 2 > Além de fortalecer os municípios do Interior, Dias destinou recursos para entidades como a Casa do Estudante de Pernambuco, Fundação Altino Ventura, Associação Criança Cidadã, Santa Casa de Misericórdia do Recife, Fundação Terra e Associação Obra de Maria.

Veja também

Líder do MBL é denunciado sob a acusação de tráfico de influência e fraude em licitação
Política

Líder do MBL é denunciado sob a acusação de tráfico de influência e fraude em licitação

Escândalo do dinheiro na cueca abre espaço para avanço do centrão no Senado
Política

Escândalo do dinheiro na cueca abre espaço para avanço do centrão no Senado