Regra era distribuir propina, diz Sergio Machado a Moro

De acordo com ele, a propina que arrecadou foi direcionada, em especial, à bancada de senadores do MDB

Moro vai interrogar o ex-presidente Lula sobre o sítio em Atibaia, em novembroMoro vai interrogar o ex-presidente Lula sobre o sítio em Atibaia, em novembro - Foto: Divulgação

O colaborador Sergio Machado, ex-presidente da Transpetro (subsidiária da Petrobras) afirmou nesta segunda-feira (5) ao juiz Sergio Moro que, para permanecer no cargo, a regra vigente era distribuir propina aos políticos responsáveis por sua nomeação.

De acordo com ele, a propina que arrecadou foi direcionada, em especial, à bancada de senadores do MDB. Sergio Machado foi ouvido como testemunha na ação penal que investiga esquema de corrupção envolvendo contratos da Transpetro.

Leia também:
Fachin ordena que PF interrogue Sarney, Renan, Jucá e Sérgio Machado
TSE marca depoimento de Sérgio Machado em ação contra chapa Dilma-Temer


Segundo a denúncia do Ministério Público Federal, além de Machado, o ex-gerente José Antônio de Jesus, preso em novembro de 2017, também era responsável por cobrar propina de empresas que fechavam contratos com a estatal. Em seguida, repassaria os valores ao PT. 

Machado disse a Moro que os executivos não eram avaliados por seu desempenho, mas pela capacidade de atender às reivindicações dos políticos. Ele afirmou que tinha conhecimento de que o diretor financeiro da Transpetro era mantido pelo partido do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB). 

O ex-presidente da estatal relatou que as empresas sabiam que ele só permaneceria na presidência caso atendesse aos políticos que sustentavam seu cargo. As companhias, segundo Machado, tinham medo de perder a boa relação com a Transpetro se ele deixasse sua posição.

Machado disse que não se importava com qual empresa ganharia as licitações, já que qualquer uma teria que pagá-lo. Ele afirmou que o percentual era de até 4% em cima do valor do contrato.

Segundo Machado, a propina era paga ou por doação oficial ou em espécie. No segundo caso, eram criados dois codinomes -um de quem iria pagar e outro de quem iria receber. Machado afirmou que se reunia em Brasília com políticos, passava os codinomes, e eles enviavam intermediários para receber os valores.

O ex-presidente da Transpetro foi uma das partes de um polêmico diálogo gravado de forma oculta e divulgado em maio de 2016. Na conversa, o senador Romero Jucá (MDB-RR) manifestava a Machado que uma mudança no governo federal seria necessária para "estancar essa sangria", referindo-se a investigações da Lava Jato.

"Rapaz, a solução mais fácil era botar o Michel [Temer]", disse Machado, sugerindo um "grande acordo nacional". "Com o Supremo, com tudo (...) Delimitava onde está, pronto", respondeu Jucá.

Também falou a Moro nesta segunda o empresário Nelson Maramaldo, sócio da NM Engenharia, empresa que pagou propina a Transpetro. Ele reafirmou o conteúdo de seu acordo de colaboração premiada ao afirmar que repassou vantagens indevidas a Machado.

Segundo Maramaldo, Machado o convidou para uma reunião em 2008, na qual ofereceu uma grande obra em troca do pagamento de propina. Ele teria cobrado 5,5% sobre o valor do contrato, de cerca de R$ 300 milhões, e dito que a empresa deveria pagar a comissão de todas as obras que já havia realizado com a estatal e das seguintes.

O empresário afirmou que Machado dizia que tinha compromissos sérios com políticos que precisavam ser cumpridos. Posteriormente, de acordo com Maramaldo, o diretor regional do Nordeste, conhecido por ele como "zangado", passou a pedir 1% de propina sobre os contratos firmados com a Transpetro. "Se não derem essa participação, vou transformar a vida de vocês em um inferno", teria dito. 

De acordo com a denúncia, tratava-se do ex-gerente José Antônio de Jesus. Também teriam participado do esquema familiares e intermediários do ex-gerente. Eles são suspeitos de operacionalizarem o recebimento de R$ 7 milhões de propinas pagas pela NM entre setembro de 2009 e março de 2014.

Veja também

Geraldo Pinho Alves Filho quer trazer linha de metrô para Paulista
Eleições 2020

Geraldo Pinho Alves Filho quer trazer linha de metrô para Paulista

Em Casa Amarela, João manda recado e diz que não se resolve problemas da cidade no grito
Eleições 2020

Em Casa Amarela, João manda recado e diz que não se resolve problemas da cidade no grito