A-A+

Relator admite excluir estados e municípios de reforma da Previdência

Se a ideia prosperar, a reforma em tramitação no Congresso não teria efeito para estados e municípios

Relator da Previdência, Samuel Moreira Relator da Previdência, Samuel Moreira  - Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Após reunião com a equipe econômica do governo, o relator da reforma da Previdência, Samuel Moreira (PSDB-SP), passou a admitir excluir as mudanças nas regras de aposentadoria dos servidores estaduais e municipais. Se a ideia prosperar, a reforma em tramitação no Congresso não teria efeito para estados e municípios. Moreira, no entanto, estuda prever que governadores e prefeitos possam aprovar leis ordinárias, que depende de maioria simples, nos respectivos órgãos legislativos para aderir à reforma.

Assim, os critérios de aposentadorias dos servidores passariam a ser os mesmos do funcionalismo público federal, que continuará dentro do projeto que está no Congresso. A ideia dele é que não haja prazo para que os governadores e prefeitos tenham que aprovar o projeto de lei ordinário. Moreira encontrou-se nesta sexta (31) com integrantes do governo.

Leia também:
PSDB não está a serviço do governo, diz relator da reforma da Previdência
Governo estuda ceder pontos na lei que combate fraude em aposentadorias
Se reforma da Previdência não for aprovada, o Brasil quebra, diz Bolsonaro em programa de TV


Técnicos do Ministério da Economia argumentam que o sistema previdenciários dos estados e municípios também precisa ser reestruturado diante da crise nas contas públicas, mas a pressão no Congresso para derrubar esse item da reforma é grande.
Embora o déficit anual na Previdência dos estados esteja próximo de R$ 90 bilhões, deputados não querem ter o desgaste político em aprovar regras mais duras para que servidores estaduais -e também municipais- se aposentem.

Essa foi uma reação à campanha de governadores e prefeitos -especialmente da oposição ao presidente Jair Bolsonaro– contra a reforma da Previdência e a quem votasse a favor da proposta. Por isso, deputados passaram a recusar a ideia de aprovar medidas impopulares que beneficiariam o ajuste nas contas de estados e municípios.

Esse movimento cresceu nas últimas semanas e, então, foram apresentadas emendas -sugestões de mudanças na proposta de Bolsonaro- para excluir servidores estaduais e municipais da reforma. Integrante de um partido favorável à reestruturação da Previdência, Moreira não queria poupar os funcionários de estados e municípios do endurecimento das regras, pois ele considera grave o problema fiscal desses entes.

Mas o relator e a equipe econômica avaliam que, diante do cenário atual na Câmara, um texto mantendo esse item não deverá ser aprovado, prejudicando, assim, o ajuste nas contas da União. A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) deve gerar uma economia de R$ 1,2 trilhão em dez anos para a União.

O efeito das mudanças nas aposentadorias de servidores estaduais representaria um corte de R$ 350 bilhões nesse mesmo período; e cerca de R$ 170 bilhões no caso dos municípios. Moreira deve apresentar o relatório à comissão especial da reforma antes do dia 15 de junho.

Ainda não há prazo para votação do parecer na comissão, que é a etapa anterior à análise pelo plenário da Câmara, onde o governo precisará de 308 votos de um total de 513 deputados. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), um dos principais fiadores da reforma, quer concluir a votação no plenário até meados de julho.

Veja também

Senado aprova alteração nas regras dos fundos constitucionais
Medida Provisória

Senado aprova alteração nas regras dos fundos constitucionais

CNJ aprova norma para atendimento da população de rua nos tribunais
Justiça

CNJ aprova norma para atendimento da população de rua nos tribunais