Relator da Previdência diz que governo tem pelo menos 275 votos favoráveis

Objetivo do governo é alcançar o número de 330 parlamentares favoráveis, para superar a maioria de 308 deputados

Arthur Maia e Carlos MarunArthur Maia e Carlos Marun - Foto: Agência Brasil

O relator da reforma da Previdência, deputado Arthur Maia (PPS-BA), afirmou nesta quarta-feira (24) que o governo tem pelo menos 275 votos favoráveis à reforma da Previdência. Faltando menos de duas semanas para a data marcada para início da discussão da proposta no plenário da Câmara, o governo ainda tenta convencer cerca de 55 deputados indecisos.

Leia também
Marun diz que Previdência será votada em fevereiro 'de qualquer jeito'
Previdência tem deficit recorde de R$ 268,8 bilhões em 2017, diz governo
Decisão do STJ ajuda na tramitação da reforma da Previdência, diz líder
Se Previdência não for votada em fevereiro, não será mais, diz Maia


Mesmo depois de várias reuniões e negociações durante o recesso parlamentar, o número não é muito diferente do divulgado por lideranças governistas no fim do ano passado, quando a base apresentava cerca de 267, 270 votos de apoio à proposta que altera as regras de acesso à aposentadoria. Desde o início do ano, integrantes da equipe de governo tem, inclusive, evitado falar nos números,para não atrapalhar as articulações que estão em andamento.

Depois de se reunir com o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, no Palácio do Planalto, Arthur Maia relatou que a equipe governista continuará nos próximos dias “com intensas negociações” até a retomada dos trabalhos no Congresso Nacional, em fevereiro.

O objetivo do governo é alcançar o número de 330 parlamentares favoráveis, para superar a maioria de 308 deputados, o que equivale a dois terços dos 513 integrantes da Câmara. O quórum qualificado para aprovar a proposta é previsto no Regimento Interno da Casa por se tratar de uma emenda à Constituição.

Uma das estratégias para atrair votos é a possibilidade de modificações pontuais no relatório em análise na Câmara. No entanto, o relator destacou que qualquer alteração só será feita se houver, por parte do parlamentar que sugere a mudança, um compromisso em garantir votos favoráveis ao projeto.

O deputado adiantou que há reivindicações da chamada bancada da bala para mudar as regras da Previdência dos policiais. Alguns parlamentares que representam a bancada pedem que haja algum tipo de regra de transição para a categoria.

“Só haverá mudanças, se trouxer votos que de fato ajudem a aprovar a proposta. Não adianta ficar fazendo modificações que não resultem em votos. Não adianta você atender uma solicitação trazida por algum parlamentar que representa a categoria e, ainda que atenda esses parlamentares, eles continuam contra o projeto”, declarou Maia.

A partir dos pedidos de mudanças no texto, o relator afirmou que líderes governistas estão preparando um pacote de mudanças no relatório e poderão apresentar em plenário uma emenda aglutinativa que contemple as alterações.

Sobre a possibilidade de deixar a votação da matéria para novembro, depois das eleições, Maia disse que esta hipótese está afastada. Contudo, o deputado reiterou que quem define o calendário da pauta de votação do plenário da Câmara é o presidente da Casa. A votação da reforma está marcada para 19 de fevereiro.

Veja também

Julgamento de Dallagnol por PowerPoint contra Lula é adiado
Julgamento

Julgamento de Dallagnol por PowerPoint contra Lula é adiado

Maia prioriza projeto de fake news em meio à ofensiva bolsonarista contra o texto
Câmara

Maia prioriza projeto de fake news em meio à ofensiva bolsonarista contra o texto