Relatora de projeto quer que militares tenham poder de polícia no Rio

A medida é uma tentativa de evitar estes militares sejam julgados pela Justiça comum e não pela Justiça Militar, caso cometam alguma irregularidade durante ações militares

Relatora do decreto de intervenção federal no Rio de Janeiro, a deputada Laura CarneiroRelatora do decreto de intervenção federal no Rio de Janeiro, a deputada Laura Carneiro - Foto: Geraldo Magela / Agência Senado

Relatora do decreto de intervenção federal no Rio de Janeiro, a deputada Laura Carneiro (MDB-RJ) vai propor ao presidente Michel Temer que os militares que atuem no Estado tenham poder de polícia. O documento pode ser votado ainda nesta segunda-feira (19) na Câmara dos Deputados -e depois segue ao Senado- para permitir ou vetar a permanência da intervenção no Rio de Janeiro.

A medida é uma tentativa de evitar um limbo jurídico que permitiria, em tese, que estes militares sejam julgados pela Justiça comum e não pela Justiça Militar, caso cometam alguma irregularidade durante ações militares. Ela também quer que o governo garanta recursos para as ações policiais e para a assistência social neste ano.

Leia também:
Aprovação da reforma da Previdência é "prioridade número um", diz Meirelles
Conselhos aprovam intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro
[Vídeo] Começa na Câmara sessão para votação da intervenção federal na segurança no RJ; acompanhe

A deputada sugere ainda que o Orçamento de 2019 preveja recursos para a manutenção das ações no próximo ano. Ela não trata no texto da decisão de Temer de pedir ao Poder Judiciário a expedição de mandados coletivos de prisão e busca e apreensão para a atuação das Forças Armadas no Rio de Janeiro.

Como o decreto assinado por Temer na sexta-feira (16) não pode ser emendado, o parecer de Laura não pode impor mudanças, apenas sugerir. A deputada foi designada relatora pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), no sábado (17) e concluiu o texto no domingo (18).

Antes de levar o texto ao plenário, o que está previsto para esta segunda (19), a deputada quer apresentá-lo a Maia. A sessão para votar o decreto foi aberta às 19h com apenas 103 deputados em plenário. Para que a votação tenha início, no entanto, é preciso que 257 deputados registrem presença.

Deputada no quarto mandato pelo Rio de Janeiro, Laura é filha do ex-deputado Nelson Carneiro. Em 1964, ele apresentou relatório contrário à intervenção em Goiás por se tratar do regime militar. Seu texto, porém, foi derrotado. A deputada diz que hoje a situação é diferente e, por isso, seu parecer é a favor da intervenção. "Se tentou tudo no ano passado e não funcionou", disse a parlamentar.

Veja também

Marcos Pontes participa de evento sobre pesquisa da nitazoxanida
Saúde

Marcos Pontes participa de evento sobre pesquisa da nitazoxanida

YouTube bloqueia vídeo de campanha de Russomanno por desrespeitar direitos autorais da Fifa
SÃO PAULO

YouTube bloqueia vídeo de Russomanno com imagens da Fifa