Renan anuncia ações contra operação da PF e juiz federal

A advocacia do Senado quer questionar e anular possíveis excessos cometidos por operação da PF

Prefeitura de OlindaPrefeitura de Olinda - Foto: Folha de Pernambuco

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), anunciou nesta quarta-feira (26) medidas em reação à Operação Métis, da Polícia Federal, realizada na última sexta (21). Serão dois recursos no STF (Supremo Tribunal Federal) contra a operação e uma representação no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em relação ao juiz Vallisney Oliveira, da 10ª Vara Federal, que autorizou a entrada da PF no Senado.

A advocacia do Senado quer questionar e anular possíveis excessos cometidos pela operação da PF que prendeu quatro policiais legislativos na sexta (todos já foram liberados). A Casa também solicita a devolução do material apreendido.
Renan também disse que orientou o corpo jurídico a entrar com habeas corpus preventivo para não ter novas prisões.

A PF deflagrou a Operação Métis para prender policiais legislativos suspeitos de obstruir investigações da Lava Jato contra senadores e ex-senadores.
Desde então, o presidente do Senado tem repudiado a ação e criticado o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes. Na terça (25), entrou em rota de colisão com a presidente do STF, Cármen Lúcia, depois de ter chamado o juiz Vallisney Oliveira de "juizeco".

Veja também

Quase 11 mil candidatos com patrimônio superior a R$ 300 mil receberam o auxílio emergencial
auxílio emergencial

Quase 11 mil candidatos com patrimônio superior a R$ 300 mil receberam o auxílio emergencial

Ministério Público pede que PF investigue ataque em que Arthur do Val relaciona Tatto ao PCC
política

Ministério Público pede que PF investigue ataque em que Arthur do Val relaciona Tatto ao PCC