Renan critica “falsas polêmicas” e diz que votações de reformas estão mantidas

“As alegações do ex-ministro da Cultura [Marcelo Calero] não afetam o presidente Michel Temer˜ diz nota da Presidência do Senado

ex-prefeito de Pretolina e candidato ao Governo de Pernambuco, Júlio Lóssio (Rede)ex-prefeito de Pretolina e candidato ao Governo de Pernambuco, Júlio Lóssio (Rede) - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), minimizou nesta sexta-feira (25) as repercussões da crise política gerada pela saída do ministro-chefe da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, que classificou de “falsas polêmicas”. Em nota divulgada à imprensa, Renan reiterou o apoio ao presidente Michel Temer e disse que os parlamentares precisam concentrar esforços nas pautas de reformas que serão votadas nos próximos dias no Congresso.

“As alegações do ex-ministro da Cultura [Marcelo Calero] não afetam o presidente Michel Temer, que reúne todas as condições para levar adiante o processo de transição. As mexidas ministeriais tampouco afetarão o calendário de votações do Senado, que inclui a PEC [Proposta de Emenda à Constituição] do limite de gastos e o projeto de abuso de autoridades”, diz a nota divulgada pela assessoria de imprensa da Presidência do Senado.

No texto, Renan destaca diversos projetos que estão na pauta do Senado para os próximos dias e ressalta que, se for preciso, Senado e Câmara cancelarão o recesso legislativo para garantir as votações.

“Se necessário, o recesso parlamentar de fim de ano será cancelado para viabilizar essa agenda de desenvolvimento no país que integre os Três Poderes da República. A Câmara dos Deputados, presidida pelo deputado Rodrigo Maia, consciente da gravidade do momento, tem diante de si essa mesma oportunidade e pode adotar votações expressas.”

Renan Calheiros também destaca no texto a necessidade de união do país diante da crise. “O momento é de ultrapassar falsas polêmicas e assegurar a união em torno de uma agenda, sob o risco de esgarçamento da crise econômica com imprevisíveis desdobramentos sociais.”

Veja também

Viagem de embaixadores ao Amazonas pode ser adiada por causa de Covid, diz Mourão
Amazônia

Viagem de embaixadores ao Amazonas pode ser adiada por causa de Covid, diz Mourão

Jamais esteve em análise privatizar o SUS, seria insanidade, diz Guedes
Saúde

Jamais esteve em análise privatizar o SUS, seria insanidade, diz Guedes