Rocha Loures, filmado com mala de R$ 500 mil, deixa hotel em Nova York

Auxiliar dos mais próximos de Michel Temer, deputado não quis responder às acusações de dono da JBS, Joesley Batista

Rodrigo Rocha LouresRodrigo Rocha Loures - Foto: Reprodução/ Twitter

Depois de dois dias em Nova York para participar de seminários e eventos ao lado de Geraldo Alckmin e João Doria, o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) deixou o hotel em que estava hospedado na cidade sem comentar as acusações de Joesley Batista de que recebeu R$ 500 mil de propina em março em São Paulo.

Auxiliar dos mais próximos de Michel Temer, Rocha Loures não quis responder a acusação de que Joesley o entregou uma mala de dinheiro, indicado pelo presidente, para atuar junto ao Cade para favorecer a termelétrica EPE, da JBS.

Abalado e aparentando nervosismo, afirmou apenas que só falaria quando chegasse ao Brasil. Não quis dizer se admitiria o encontro nem o recebimento da verba. Rocha Loures participou do jantar de homenagem a Doria na terça-feira e do seminário de Alckmin no dia seguinte pela manhã.

Nas rodas de conversa, dizia-se animado com a melhora do ambiente econômico do país e com a perspectiva de aprovação da reforma da Previdência. Evitou fazer previsões sobre as eleições em 2018.

Depois da revelação da delação de Joesley, trancou-se no quarto do hotel -Lotte New York Papace, na Madson Avenue- por volta das 18h, segundo um executivo com quem teve contato.

Defesa
O deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) contratou o advogado José Luiz de Oliveira Lima para que possa defendê-lo das acusações. O criminalista defende vários clientes envolvidos na Operação Lava Jato, entre eles o ex-presidente da construtora OAS, Léo Pinheiro.

O presidente Michel Temer afirmou a aliados que Loures deve assumir a responsabilidade pelo recebimento de R$ 500 mil do empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo JBS. Rocha Loures foi filmado recebendo uma mala com R$ 500 mil enviados por Joesley, um dos donos do grupo JBS, segundo delações de executivos do grupo.

Loures teria sido indicado por Temer para resolver uma questão de interesse do grupo, segundo Joesley. A afirmação, publicada pelo jornal "O Globo", foi confirmada pela reportagem.

Peemedebistas querem que Rocha Loures diga que recebeu o dinheiro para uso pessoal. Essa versão, eles dizem, poderia ajudar a isentar Temer. Rocha Loures estava em Nova York (EUA) e já estaria vindo para o Brasil.

Veja também

Gilmar suspende inquérito contra desembargador que deu carteirada para não usar máscara
STF

Gilmar suspende inquérito contra desembargador que deu carteirada para não usar máscara

Governo desrespeita prazos, e Lewandowski cobra planos para Manaus e vacinação
Pandemia

Governo desrespeita prazos, e Lewandowski cobra planos para Manaus e vacinação