Rodrigo Maia traça roteiro para disputar Planalto

Maia será lançado pré-candidato à sucessão de Michel Temer na convenção nacional do DEM, nesta quinta (8).

Rodrigo MaiaRodrigo Maia - Foto: Reprodução/ Facebook

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pretende iniciar viagens pelo país na próxima semana para tentar viabilizar sua pré-candidatura ao Planalto. O deputado vai participar das filiações dos parlamentares recém-chegados ao seu partido e deve, por exemplo, visitar Catolé do Rocha (PB), cidade natal da família de seu pai, o ex-prefeito do Rio Cesar Maia (DEM).

Maia será lançado pré-candidato à sucessão de Michel Temer na convenção nacional do DEM, nesta quinta (8). O movimento busca tirá-lo do 1% de intenção de voto até maio, prazo estabelecido por aliados para Maia alcançar 7% nas pesquisas. Caso não decole até lá, o deputado deve tentar a reeleição atrás de resultado mais expressivo do que os 53.167 votos que teve em 2014.

Maia diz a aliados que só vai para o enfrentamento presidencial se sentir que tem condições reais de competir. Na hipótese contrária, manterá o desejo de se reeleger presidente da Câmara em 2019.

Leia também:
Eleito pelo Rio, Rodrigo Maia pede a deputados que apoiem intervenção federal
Rodrigo Maia se reúne com executivos do Citibank, em São Paulo
Rodrigo Maia diz que o Bolsa Família 'escraviza as pessoas'
Deputado Rodrigo Maia diz que doações respeitaram a lei


O DEM vai providenciar avião para que ele viaje sem usar as aeronaves da FAB a que tem direito na presidência da Casa. Pela estratégia de se viabilizar passa a participação em eventos como a festa do Dia do Trabalho.

Pauta popular
Na Câmara, o deputado foi aconselhado a investir em uma pauta mais popular. Além dos projetos de segurança e economia, pediu que aliados garimpassem propostas na área social. Maia reuniu no fim de semana apoiadores para fechar o discurso que fará na convenção, na qual o partido pretende mostrar que se reposicionou, saindo da direita para o centro, tentando aliar o discurso de eficiência e enxugamento do Estado ao de maior foco em questões sociais.

Essa área é uma das que compõem o tripé que vai sustentar o discurso dele no evento, junto com o combate à violência e a pauta de recuperação da economia e geração de empregos. A agenda social está sendo pensada por Marcelo Garcia, ex-secretário de Cesar Maia na área e coordenador do programa de governo de Rodrigo em 2012, quando ele disputou a prefeitura da capital fluminense.

"Existe um deserto conceitual no DEM e no PSDB sobre a questão social no Brasil. Rodrigo quer sair deste deserto", diz Garcia, que escreve artigos críticos ao governo Temer. É dele uma das propostas que Maia pretende apresentar na quinta, o seguro social familiar. A proposta unifica o Bolsa Família e um conjunto de pequenos programas dispersos em diversas pastas.

A ideia é remunerar beneficiados pelo Bolsa Família pela mobilidade social e educacional. "São o esforço e a mobilidade social da família que vão agregar valores ao seguro, e não um movimento ineficiente de aumentar a transferência de renda sem agregar mobilidade que vai garantir, a médio prazo, inclusão social sustentável", diz Garcia.

A pauta do pré-candidato dará destaque à agenda educacional. Desde o início do governo Temer, o Ministério da Educação está sob comando do DEM. Maia convidou para a convenção presidentes e lideranças de diversos partidos. Quer mostrar força ao projeto, que hoje conta ao menos com a simpatia do Solidariedade, da cúpula do PP e de partidos como PRB, PHS e PSC -este último estuda a candidatura de Paulo Rabello, presidente do BNDES.

Para vice, o deputado tem conversado com o ex-ministro Aldo Rebelo (PSB). Os dois se tornaram amigos em 2005, quando Maia era líder do DEM e Aldo, presidente da Câmara. Como o PSB não deve apoiar o DEM, Aldo negocia sua saída do partido e pode ingressar no Solidariedade.

Veja também

Promulgação da PEC dos Precatórios será fatiada, diz Arthur LiraPrecatórios

Promulgação da PEC dos Precatórios será fatiada, diz Arthur Lira

Fachin arquiva inquérito contra senador do MDB e ministro do TCU no caso JBSSTF

Fachin arquiva inquérito contra senador do MDB e ministro do TCU no caso JBS