Rosa Weber pede manifestação de ministro da Educação sobre declarações a brasileiros

Vélez disse que 'o brasileiro viajando é um canibal'

Vélez declarou que 'o brasileiro viajando é um canibal' Vélez declarou que 'o brasileiro viajando é um canibal'  - Foto: Arquivo/Marcelo Camargo/Agência Brasil

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber concedeu nessa quinta (14) prazo de dez dias para que o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, se manifeste sobre declarações dadas em uma entrevista à revista Veja. A manifestação do ministro é facultativa.

"Ante o exposto, determino a notificação do Ministro da Educação Ricardo Vélez Rodríguez, para que responda, querendo, à presente interpelação no prazo de 10 (dez) dias", decidiu a ministra.

Leia também:
Democracia é diálogo e tolerância, diz Rosa Weber ao diplomar Bolsonaro no TSE
STF manda PGR investigar ataques a Rosa Weber em vídeo
Ministro da Educação pede desculpa à mãe de Cazuza e diz que erro foi bobo


A solicitação foi motivada por uma interpelação judicial criminal protocolada na Corte pelo advogado Marcos Aldenir Ferreira Rivas. Segundo Rivas, em entrevista publicada pela revista, no dia 6 de fevereiro, Vélez disse que "o brasileiro viajando é um canibal". No entendimento do advogado, o ministro cometeu o crime de calúnia.

Na decisão, a ministra explicou que, após a manifestação do ministro, o pedido de explicações será devolvido ao advogado, que poderá ou não oferecer uma queixa-crime posteriormente. "Enfatizo que o ato judicial que analisa a interpelação criminal não emite juízo de valor sobre o conteúdo debatido, uma vez que representa típica providência de contenção cognitiva", afirmou.

O Ministério da Educação informou que o ministro ainda não foi notificado. Assim que for, ele responderá. 

Veja também

Prefeito do Recife, João Campos, testa positivo para Covid-19
Coronavírus

Prefeito do Recife, João Campos, testa positivo para Covid-19

Tribunal abre brecha para reduzir pena tricentenária de Sérgio Cabral
Política

Tribunal abre brecha para reduzir pena tricentenária de Sérgio Cabral