Rosa Weber vota contra Lula, e habeas corpus de Lula deve ser negado

Durante uma hora de voto, Rosa Weber falou em manter a "coerência", já que deu decisões parecidas em outros casos do tipo desde 2016

Rosa WeberRosa Weber - Foto: José Cruz/Agência Brasil

A ministra Rosa Weber, do STF (Supremo Tribunal Federal), concluiu às 19h30 seu voto contra o pedido de habeas corpus preventivo ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, formando um placar de 4 a 1 contra o petista. O julgamento ainda não acabou, mas os votos dos outros juízes já são conhecidos por declarações anteriores deles.

Isso significa que a corte deve negar o pedido da defesa, o que deixa Lula sujeito a ter a prisão decretada pelo juiz Sergio Moro com o esgotamento dos recursos no TRF-4, em Porto Alegre. Bastam formalidades para isso ser sacramentado na corte regional.

Durante uma hora de voto, Rosa Weber falou em manter a "coerência", já que deu decisões parecidas em outros casos do tipo desde 2016, quando o Supremo decidiu que pode haver a prisão de condenados em segunda instância sem desrespeitar o princípio da presunção da inocência.

Leia também
[AO VIVO] STF julga pedido de Lula para evitar prisão
Alexandre de Moraes vota contra habeas corpus de Lula
Ministro Fachin vota contra habeas corpus preventivo de Lula
Gilmar Mendes vota a favor de habeas corpus para evitar prisão de Lula
Barroso profere terceiro voto contra habeas corpus para evitar prisão de Lula
TRF4 nega pedido da defesa de Lula para discutir suspeição de Moro no STF e STJ

"Eu enfrento este habeas corpus nos exatos termos que fiz em todos os outros que desde 2016 me tem sido redistribuídos, reafirmando que o tema de fundo, para quem pensa como eu, há de ser sim revisitado", disse a ministra.

Faltam votar os ministros Luiz Fux, Cármen Lúcia, ambos a favor da prisão de condenados em segunda instância, Ricardo Lewandowski, Celso de Mello, Marco Aurélio Mello e Dias Toffoli, que devem votar para autorizar o habeas corpus. O placar, portanto, deve ficar em 6 a 5 contra Lula.

Veja também

Mourão diz que posição do governo não é por uma Constituinte
Brasil

Mourão diz que posição do governo não é por uma Constituinte

TCU fará auditoria em órgãos públicos para avaliar combate ao assédio sexual
auditoria

TCU fará auditoria em órgãos públicos para avaliar combate ao assédio sexual