bahia

Saiba quem é Binho Galinha, deputado alvo da PF

Kleber Cristian Escolano de Almeida, mais conhecido como Binho Galinha (Patriota), é alvo de um mandado de busca e apreensão

O deputado estadual Binho GalinhaO deputado estadual Binho Galinha - Foto: Reprodução

Alvo de um mandado de busca e apreensão expedido pela Polícia Federal (PF) na manhã desta quinta-feira (7), o deputado estadual Kleber Cristian Escolano de Almeida, mais conhecido como Binho Galinha (Patriota), é acusado de chefiar um grupo criminoso. Natural de Milagres, Binho Galinha passou grande parte de sua vida em Feira de Santana, cidade em que chegou a ser preso em 2011.

Na ocasião, foi acusado de integrar uma quadrilha responsável por roubos de automóveis e caminhões e foi detido portando uma pistola. Após três dias, foi liberado pela Polícia Civil e respondeu inquérito em liberdade, que não chegou a um processo judicial. Empresário, o deputado estadual é sócio da Tend Tudo desde 2006, um ferro-velho que vende peças e acessórios para veículos automotores na cidade.

Foi inclusive do lado de fora de sua empresa que Binho Galinha se cacificou para a política. Durante a pandemia, ele começou a entregar quentinhas para pessoas vulneráveis, até que começou a chamar atenção dos caciques locais e recebeu um convite para concorrer pelo Patriota.

Durante a campanha, explicou que o apelido "Binho Galinha" surgiu logo após sua mudança para Feira de Santana. Quando chegou na cidade, trabalhou como entregador de um abatedouro de galinhas.

Nas eleições do ano passado, apoiou a candidatura do presidente Lula (PT) e do governador da Bahia, Jerônimo Rodrigues (PT). No pleito, foi eleito com 49,8 mil votos.

À Assembleia Legislativa, informou não ter ensino superior, sendo o ensino médio completo o seu grau de escolaridade. Na Casa, é vice-líder do bloco MDB/PSB/Patriota/PSC/Avante. Em seu primeiro mandato, o político apresentou três projetos de lei: para que mulheres possam pagar meia-entrada em jogos de futebol, para que um programa estadual de tratamento e reciclagem de óleos seja instituído e para que uma associação beneficente fosse reconhecida como utilidade pública.

Alvo da PF
Nesta manhã, a PF cumpre dez mandados de prisão preventiva, 33 mandados de busca e apreensão, bloqueio de mais de R$ 700 milhões das contas bancárias dos investigados e o sequestro de 26 propriedades urbanas e rurais, além da suspensão de atividades econômicas de seis empresas.

"Segundo foi apurado, o chefe da organização atualmente é detentor de foro por prerrogativa de função e, com isso, faz-se necessário esclarecer que, desde 2018, o Supremo Tribunal Federal vem entendendo que parlamentares serão processados e julgados pela justiça de primeiro grau em caso cometimento de crimes antes da diplomação do cargo e desconexo a ele", informou a PF.

De acordo com a PF, a organização criminosa investigada na Operação El Patron pratica lavagem de dinheiro obtido no jogo do bicho, agiotagem, extorsão, receptação qualificada, entre outros crimes.

Veja também

Projeto prevê porte de arma para agentes de segurança socioeducativos
SENADO

Projeto prevê porte de arma para agentes de segurança socioeducativos

Moraes volta a defender regulamentação das redes sociais
Regulamentação

Moraes volta a defender regulamentação das redes sociais