'São réplicas', diz Jaques Wagner sobre relógios apreendidos

A Polícia Federal apreendeu 15 relógios, além de celulares, computadores e documentos do ex-governador Jaques Wagner em busca e apreensão realizada na manhã de segunda-feira no âmbito da Operação Cartão Vermelho

Jaques Wagner durante ato de solidariedade do PT e partidos aliados realizado na noite desta segunda-feira (27)Jaques Wagner durante ato de solidariedade do PT e partidos aliados realizado na noite desta segunda-feira (27) - Foto: João Ramos/Divulgação

Em um ato de solidariedade do PT e partidos aliados realizado na noite desta segunda-feira (27), o ex-governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), afirmou que os relógios apreendidos pela Polícia Federal em seu apartamento são réplicas de originais.

"Como eu fui algumas vezes à China, eu comprei alguns relógios de réplica, chineses. Eu gosto de relógio, mas não ligo para marca. Esse aqui mesmo é uma réplica", disse, apontando para um relógio que carregava no pulso esquerdo.

Leia também:
PF faz busca e apreensão no apartamento Jaques Wagner
Jaques Wagner teria recebido R$ 82 milhões desviados de obras da Fonte Nova


A Polícia Federal apreendeu 15 relógios, além de celulares, computadores e documentos do ex-governador Jaques Wagner em busca e apreensão realizada na manhã de segunda-feira no âmbito da Operação Cartão Vermelho.

Segundo a Polícia Federal, Wagner teria recebido R$ 82 milhões das empreiteiras OAS e Odebrecht pelo superfaturamento do contrato de reconstrução e gestão do estádio da Fonte Nova. O petista nega as acusações.

Wagner ainda afirmou que a delegada da Polícia Federal se precipitou ao falar que os relógios apreendidos eram luxuosos: "Espero que ela faça a perícia para constatar".

Criticou a Polícia Federal e afirmou que, com a operação, passa a fazer parte da "galeria dos injustiçados". E citou o ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli como outro injustiçado.

"É um absurdo. A investigação da Petrobras tem quantos anos? Até hoje não acharam um risco que contaminasse José Sérgio Gabrielli", disse.

Wagner ainda relacionou a operação ao fato de seu nome ser cogitado como plano B para disputar a Presidência da República pelo PT.

E comparou a sua situação a do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), indiciado sob suspeita de uso de caixa dois na campanha para a prefeitura em 2012: "No caso dele, pau. No meu, a mesma coisa".

Veja também

Congresso aprova teto a verba política sem revelar parlamentares beneficiados

Congresso aprova teto a verba política sem revelar parlamentares beneficiados

Bolsonaro passou por oitos partidos desde que iniciou carreira política em 89, relembrePresidente da República

Bolsonaro passou por oitos partidos desde que iniciou carreira política em 89, relembre