Secretários de Fazenda apresentam proposta de Reforma Tributária

O projeto foi apresentado no Fórum de Governadores, em Brasília, na terça-feira (6)

Décio Padilha, secretário da fazendaDécio Padilha, secretário da fazenda - Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

Uma proposta para Reforma Tributária, escrita com colaboração de 27 secretários da fazenda, entre eles, o pernambucano Décio Padilha, foi apresentada no Fórum de Governadores, em Brasília, na terça-feira (6). Segundo o secretário, o projeto é parecido com o que tramita na Câmara, de autoria do líder do MDB, deputado Baleia Rossi (SP).

Inspirada em modelos australiano, canadense, indiano e europeu, a proposta foi estudada durante cinco meses e busca não aumentar a carga tributária. “Caso aprovado, o novo sistema deve estar completamente implantado em dez anos, porque não tem como retirar um modelo tributário e substituir por outro em um dia. Isso precisa acontecer gradualmente”, afirmou Décio.

O projeto apresenta uma simplificação nos tributos, substituindo o imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) Programas de Integração Social (PIS), Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins), Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e Imposto Sobre Serviços por por um imposto sobre Bens Direitos e Serviços, titulado IBS, no âmbitos estaduais e municipais e um Imposto Seletivo, o IS, no âmbito federal.

Leia também:
Alcolumbre: reforma tributária e pacto federativo serão prioridades
Fórum de Governadores volta a se reunir em Brasília
Governadores articulam aumento de imposto sobre exportação

 

O IBS, imposto sobre o valor agregado, incide em operações com bens, serviços e direitos e, também, sobre os bens intangíveis; a cessão e o licenciamento de direitos; a locação e importação de bens. Já o Imposto seletivo é um imposto regulador e tem como objetivo desestimular o uso consumo de cigarro, bebidas alcoólicas, munição e armas. 50% do IS será destinado ao Fundo de Desenvolvimento Regional e ao Fundo de Compensação de Perdas.

Na proposta, cargas tributárias – que variam de 80 a 100 por estado – deixam de existir e cada estado passará a ter apena uma alíquota, com um valor mínimo para cada, definida por uma lei complementar. Nos estados, a alíquota fica a cargo de um Projeto de Lei de iniciativa do governador. Já nos municípios é escolhido por uma PL definida pelo Prefeito.

A Lei complementar instituirá o IBS, que será uniforme em todo o território nacional, cuja regulamentação compete aos Estados, Distrito Federal e Municípios através de Comitê Gestor – composto por representantes estaduais, distritais e federais -.

Para o pagamento do IBS, o contribuinte terá duas opções: pagar demais impostos por regime simplificado e o IBS por regime geral, adquirindo créditos, ou pagar IBS pela sistemática simples sem poder transferir créditos. Quanto à compensação, será não cumulativo e o crédito se torna financeiro.

Para evitar que os pobres paguem o mesmo imposto que os ricos, uma tecnologia semelhante a do Simples Nacional será adotada. Nela, através do CPF do consumidor cadastrado no banco de dados nacional, o tributo é devolvido parcialmente, de acordo com a renda da pessoa.

Em relação à distribuição da receita do IBS, a divisão fica da seguinte forma: aos Estados e Distrito Federal: 46,90%; aos Municípios: 27%; à União – que tem participação apenas na receita –: 22,50%; ao Fundos de compensação e desenvolvimento regional: 3,6%.

Veja também

Presidente do PT-PE diz que partido fará reflexão sobre eleição e entrega de cargos no Governo do Es
Eleições 2020

Presidente do PT-PE diz que partido fará reflexão sobre eleição e entrega de cargos no Governo do Es

Prefeito eleito do Recife, João Campos reafirma que não terá indicação de petistas na sua gestão
Eleições 2020

Prefeito eleito do Recife, João Campos reafirma que não terá indicação de petistas na sua gestão