Segovia diz a Barroso que não falará mais sobre inquérito de Temer

No começo de fevereiro, Segovia disse em entrevista que a tendência é arquivar a investigação sobre o presidente porque não há provas

Diretor-geral da Polícia Federal, Fernando SegóviaDiretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia - Foto: Valter Campanato / Agência Brasil

O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, disse ao ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), que vai se abster de fazer novos comentários a respeito do inquérito que investiga o presidente Michel Temer na edição de um decreto para o setor portuário.

A posição de Segovia foi passada pessoalmente ao ministro em audiência a portas fechadas no STF nesta segunda-feira (19). No entender da PF, ao agir assim, Segovia atende a uma observação feita pelo próprio ministro em despacho proferido no sábado retrasado (10), após uma entrevista concedida por Segovia à agência de notícias Reuters, na qual ele afirma que não há provas contra Temer no inquérito que investiga o presidente e que tramita no Supremo.

Leia também:
Barroso intima diretor da PF após declaração sobre inquérito que investiga Temer
Janot diz que Segovia ignora inquérito ou fala "por ordem de alguém"

Segovia havia entregue, na semana passada, uma manifestação por escrito sobre a entrevista. A PF não divulgará a manifestação porque entende que o assunto está aos cuidados do ministro Barroso, a quem caberia dar ou não publicidade ao material.

Segundo a PF, Segovia considera ter esclarecido todos os pontos levantados pelo ministro em seu despacho. Na Polícia Federal há 22 anos, Segovia foi indicado pela cúpula do MDB e escolhido por Temer para assumir o cargo em novembro de 2018. Ele substituiu Leandro Daiello, o diretor mais longevo da PF, que havia sido nomeado pela ex-presidente Dilma Rousseff em 2011.

Entenda
Temer é alvo de inquérito que apura se houve irregularidade em um decreto da área portuária que beneficiou a empresa Rodrimar, assinado em maio de 2017. No começo de fevereiro, Segovia disse em entrevista à agência Reuters que a tendência é arquivar a investigação sobre o presidente porque não há provas de crime contra Temer.

Ele disse ainda que se a Presidência acionar formalmente a PF a propósito do tom de perguntas feitas por escrito pelo delegado responsável pelo inquérito, poderá ser aberto um procedimento administrativo disciplinar contra ele. Relator do inquérito no STF, Barroso intimou Segovia a esclarecer a declaração, considerada pelo magistrado "manifestamente imprópria". De acordo com o ministro, o ato pode mesmo "caracterizar infração administrativa e até mesmo penal".

Ao intimar o diretor-geral, Barroso afirmou que era necessário que ele confirmasse as declarações que foram publicadas, além de prestar os "esclarecimentos que lhe pareçam próprios e se abstenha de novas manifestações a respeito".

Ele determinou que o diretor-geral se abstenha de fazer comentários sobre o inquérito. Barroso determinou que a Procuradoria-Geral da República tome as providências cabíveis. O delegado que conduz o inquérito dos portos, Cleyber Malta, é um antigo desafeto de Segovia.

Veja também

Bolsonaro diz que pediu flexibilização de restrições para entrada nos EUA para estudantes
Diplomacia

Bolsonaro diz que pediu flexibilização de restrições para entrada nos EUA para estudantes

Disputa começa a entrar na pauta do eleitor
Edmar Lyra

Disputa começa a entrar na pauta do eleitor