Sem alinhamento automático com PSDB

Como a coluna cantara a pedra, secretária da Fazenda de Lupércio também foi indicação do governador

Ministro Bruno AraújoMinistro Bruno Araújo - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

A escolha do, ainda, vice-presidente de Suape, Evandro Avelar, para a Secretaria de Serviços Públicos de Olinda, confirmada na segunda-feira (26) - como a coluna antecipou com exclusividade - não está sendo tratada, pelo ministro Bruno Araújo, como um alinhamento automático do PSDB à administração do Professor Lupércio. O titular de Cidades na Esplanada chegou a gravar vídeo em apoio a Antônio Campos, no 2° turno da disputa municipal, assim como também o fez o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

O PSDB não votou em Lupércio e a entrada acelerada de um quadro do tucanato na gestão do prefeito eleito do Solidariedade é vista por alguns tucanos, ligados ao ministro, como “deselegante”. O convite a Evandro passou pelo crivo do governador Paulo Câmara, cujo PSB, assim como o PSDB, abençoara a candidatura de Antônio Campos. O chefe do executivo estadual chamou Evandro para uma conversa, após receber pedido de Lupércio.

Pessoalmente, o ministro das Cidades não é a favor de uma participação imediata do PSDB na Prefeitura de Olinda. A movimentação que atraiu Evandro foi lida, entre tucanos, como uma iniciativa de “jogar para dentro e depois chamar para discutir”. Ouvido pela coluna, o ministro Bruno Araújo, em poucas palavras, adotou tom crítico, dizendo ser “contra qualquer discussão de fato consumado”. Tal compreensão parece não atrapalhar a relação do ministério com a cidade histórica.

Hoje, o titular da pasta assina, no Palácio das Princesas, a Autorização para Início de Objeto (AIO) para a execução da segunda etapa da Via Metropolitana Norte, em Olinda, para a qual destinará R$ 22 milhões. Uma ferida política, no entanto, no ninho tucano, foi aberta.

Próximo passo
Evandro Avelar admite que, pessoalmente, aceitou o convite, mas avalia ser preciso, depois disso, “tratar de trazer o PSDB para a base do governo”. Já estabeleceu conversas com o vereador Jesuíno Araújo, do PSDB, nesse sentido.

Por conta e risco > Evandro não chegou a ir à mesa com o ministro Bruno Araújo antes de aceitar o convite. A pasta de Serviços Públicos, que comandará, tem relação direta com o Ministério das Cidades.

Comunicados > Evandro introduziu o assunto com o presidente estadual do PSDB, Antônio Moraes, com Terezinha Nunes, que assumirá vaga na Alepe, com o prefeito de Jaboatão, Elias Gomes, futuro dirigente estadual da sigla e com o deputado federal Daniel Coelho, mais votado do PSDB, na cidade.

Menu > Ontem, Bruno Araújo falou ao telefone com o governador Paulo Câmara para alinhar a agenda conjunta de hoje. Os dois almoçam juntos, no Palácio das Princesas, após assinatura da Autorização de Início de Objeto (AIO) da Via Metropolitana Norte.

Só observa > Paulo Câmara não foi a São Paulo, ontem, para agenda, no Palácio dos Bandeirantes, com Geraldo Alckmin. Quem o representou foi o presidente da Compesa, Roberto Tavares.

Por enquanto > Nos corredores do Campo das Princesas, corre a leitura de que a iniciativa de Alckmin de emprestar bombas do sistema Cantareira, para amenizar a seca na Paraíba e em Pernambuco, não traz qualquer resultado político vinculado.

Casa de ferreiro > Na prática, Alckmin precisa se resolver primeiro dentro do PSDB, que ainda não bateu o martelo em qual será seu candidato à Presidência da República. Enquanto isso, ele abre pontes, como já fez com os governadores José Ivo Sartori (Rio Grande do Sul) e Reinaldo Azambuja (Mato Grosso do Sul).

Tempo > Paulo Câmara é candidato à reeleição, mas crava, a aliados, que ninguém arrancará dele tal declaração antes de 2018, sob pena de contaminar pauta administrativa com questão eleitoral.

Veja também

Vereador quer assistência psicológica nas escolas municipais do Recife
BLOG DA FOLHA

Vereador quer assistência psicológica nas escolas municipais do Recife

Mandatos coletivos avançam, mas ainda sob resistência; Juntas (PSOL-PE) é exemplo
Política

Mandatos coletivos avançam, mas ainda sob resistência; Juntas (PSOL-PE) é exemplo